Policial

Cruzeiro do Oeste

Polícia fará reconstituição sobre a morte de Gabriel D’Ávila

01/02/2019 08H13

CRUZEIRO DO OESTE Polícia investiga caso de estudante que morreu após ser baleado dentro de casa por PM
Gabriel D’Avila Braun era estudante de medicina e morreu depois de ser baleado dentro de casa (foto redes sociais)

A Polícia Civil vai fazer a reconstituição sobre a morte do estudante Gabriel D’Ávila Braun, 25 anos. A data ainda não foi marcada.

Segundo o delegado de Cruzeiro do Oeste, Gabriel Menezes, a investigação ainda está em andamento e até o início da próxima semana um novo prazo de 30 dias deve ser pedido à Justiça para a conclusão do inquérito que apura as circunstâncias da morte do estudante. “Ainda falta o resultado de muitas perícias e exames solicitados”, explicou o delegado.

O INCIDENTE

Gabriel Braun morreu no último dia 03 de janeiro, três dias após ser baleado dentro de casa, na área central de Cruzeiro do Oeste.

O incidente ocorreu na noite do dia 31 de dezembro de 2018, após a Polícia Militar ser acionada para atender uma denúncia de roubo na residência. De acordo com a polícia, quando a PM chegou até o local o estudante estava armado e teria esboçado reação e os policiais teriam efetuado três disparos.

Um tiro atingiu a artéria femural na perna de Gabriel. O estudante foi socorrido e encaminhado ao Hospital Municipal e posteriormente transferido para Umuarama, mas não resistiu e entrou em óbito três dias após.

CONTESTAÇÃO

Segundo a Polícia Civil, a família do estudante contestou a versão da PM. Em nota emitida no dia da morte de Gabriel Braun, o delegado relatou que “A família confirma ter acionado a Polícia Militar para atender a ocorrência do possível roubo, mas contesta a versão dos policiais sobre os disparos que atingiram Gabriel.

A mãe da vítima afirmou que ela e o filho estavam armados dentro da casa porque acreditavam ocorrer um assalto naquele momento, mas quando os policiais chegaram não houve reação por parte de Gabriel que justificasse a conduta dos policiais.

A mãe portava um revólver calibre .38, enquanto Gabriel uma pistola .380.

As armas de Gabriel e sua mãe foram entregues pela Polícia Militar na Delegacia de Polícia de Cruzeiro do Oeste. Já as armas dos policiais militares envolvidos na ocorrência foram recolhidas pelo 7º BPM de Cruzeiro do Oeste”.