Variedades

Pensar e transformar

Umuarama inicia criação da Sociedade Civil Organizada, de olho no futuro

18/09/2021 09H00

Parte da diretoria que está encaminhando a Sociedade Organizada Civil de Umuarama. Direita para esquerda: Luciano Goulart, Marcos Rodrigues, André Turetta, Kenny Gonçalves e Carlos Dall Nora

A crescente turbulência envolvendo os setores da coletividade e a necessidade de pensar o desenvolvimento de Umuarama, movimentou um grupo de umuaramenses a iniciar a formalização da Sociedade Civil Organizada local. Tal conceito diz respeito a um conjunto de instituições voluntárias, que se unem visando o interesse da comunidade em diversas áreas e contribuem com o setor governamental para o desenvolvimento embasado.

A mobilização iniciou em conversa com o professor Dorival Marcos Rodrigues, diretor da Faculdade Alfa de Umuarama e o professor Bruno Oliveira, da Unipar. A ideia tomou corpo com representantes do Instituto Federal do Paraná (IFPR) e da Universidade Estadual de Maringá (UEM) – ambas unidades de Umuarama – aderindo ao chamamento de pensar a cidade para o futuro e que ecoa da comunidade local.

Em sua terceira reunião, a Sociedade Civil Organizada segue para a constituição de estatuto e todo aparato jurídico para iniciar suas atividades. Hoje a diretoria interina é formada pelo presidente professor Bruno Oliveira, vice-presidente professor Marcos Rodrigues, secretário professor Carlos Dall Nora (IFPR), tesoureiro professor Rodrigo Tartari (UEM). Coordenadoria Executiva: Kenny Gonçalves (advogado), Clóvis Bruno (empresário e diretor da ACIU), professor André Turetta (consultor em Inovação e professor) e Luciano Goulart (coordenador da CUFA).

“Essa iniciativa partiu de um momento em que a sociedade busca ação para Umuarama ter uma organização não dependente exclusivamente da parte política. Esse modelo é contemplado em várias cidades, como Toledo, Maringá e Cascavel. A a Sociedade Civil Organizada pensa em ações e planejamento macro para o futuro. Desta forma, traçar uma linha de desenvolvimento para cidade e leva essas demandas ao poder público”, ressaltou Kenny Gonçalves.

ORGANIZAÇÃO

Tutoreada inicialmente pelas instituições de ensino superior, agora a Sociedade Civil Organizada tem 12 meses para realizar sua organização jurídica e de fato ser reconhecida. Com a documentação registrada ocorrerá a eleição para diretoria. “Nosso papel não é político-partidário, pois dessa forma teremos autonomia e liberdade para organizar a sociedade. Não temos interesse político, mas sim o pensar estratégico para o desenvolvimento local”, argumentou o professor Dall Nora.

Desta forma, a instituição terá representantes de todos os setores que movem a cidade. “Objetivo é esse, unir a sociedade para articular e organizar os setores, desta forma, pensar e promover à cidade para daqui 5, 10 ou 20 anos. Só em nome da cidade vamos cumprir nosso papel como cidadãos”, disse Luciano Goulart.

PENSAR E NÃO FISCALIZAR

A Sociedade Civil Organizar será um braço para pensar, estudar e planejar a cidade e não um órgão fiscalizador dos poderes públicos, como explicou o professor Marcos. “Não vamos ser a ouvidoria do município ou do Estado. Não vamos fazer o papel de fiscalizar legislativo e executivo. Mas somar com projeto e ideias para melhorar e desenvolver nossa cidade”.

O papel da instituição e seguir como fonte de conhecimento e participar no desenvolvimento de Umuarama, atraindo investimento e melhorias. “O grande objetivo é trabalhar temas portadores de futuro. Temas que vão impactar a cidade cedo ou tarde. Então, precisamos assumir o protagonismo como moradores de Umuarama. A ideia é priorizar esse temas por meio de um dialogo constante com a sociedade e transformar essas pautas em projetos”, esclareceu o professor André Turetta.