Policial

FEMINICÍDIOS

Suspeito diz que pode ter matado mulheres durante ‘surto’, mas que não se lembra

02/05/2019 17H36

FEMINICÍDIOS Suspeito diz que pode ter matado mulheres durante ‘surto’, mas que não se lembra

Umuarama – A Polícia Civil divulgou na tarde desta quinta-feira (2) que o suspeito de matar duas moradoras de rua em Umuarama admitiu em depoimento que pode ter matado as vítimas durante surtos psicóticos, mas que não se lembra de nada.

Em declaração complementar agora, o suspeito admite que tem surtos psicóticos quando utiliza drogas, e que fazia uso de medicação para controle dos surtos. Contou ainda que há cerca de um ano deixou de usar os remédios”, afirmou o delegado-chefe da 7ª SDP, Osnildo Carneiro Lemes. Ainda segundo o delegado, o homem contou que quando entra em surto não se lembra do que faz.

MORTES

Segundo a Polícia Civil o homem de 42 anos é suspeito de matar duas moradoras de rua com quem mantinha relação íntima. Os crimes ocorreram no intervalo de apenas nove dias. Ele foi autuado em flagrante presumido por feminicídio na tarde de quarta-feira (1º), depois que depoimentos de testemunhas o colocaram junto com a moradora de rua Miriam Januário Elias, de 42 anos, na segunda-feira (29), quando a mulher foi morta.

O corpo de Miriam Januário foi encontrado embaixo de uma ponte na avenida Ariovaldo Rodrigues de Moraes, próximo a PR-323, em Umuarama, no início da tarde de quarta-feira (1º).

Segundo o delegado a causa da morte de Miriam Januário foi uma forte pancada na cabeça. Ainda segundo o delegado, essa também foi a forma como a primeira vítima, Miriam Oliveira Marcolino, 50 anos, foi morta no último dia 21 de abril. O corpo foi encontrado próximo ao trevo do Gauchão, em um local usado por usuários de drogas, segundo a polícia.

RELAÇÃO ÍNTIMA

Ainda segundo o delegado-chefe, o homem manteria relacionamento íntimo com as duas vítimas e seria violento. “Sabemos que ele mantinha relação com a segunda vítima há mais de um ano e com primeira vítima há pelo menos quatro anos. Testemunhas apontam ele como um homem ciumento e que batia nas duas mulheres”, relatou o delegado.

As vítimas estavam com o braço direito quebrado segundo a polícia. “São muitas coincidências. O suspeito tem um defeito no braço direito e as duas vítimas tinham o braço direito quebrado”, contou o delegado. Outras semelhanças são os fatos das mulheres terem o mesmo nome, serem moradoras de rua e usuárias de entorpecentes.