Policial

SEQUESTRO EM CASCAVEL

Sequestrador é preso. Polícia busca identificar demais envolvidos

13/03/2019 20H02

SEQUESTRO EM CASCAVEL Sequestrador é preso. Polícia busca identificar demais envolvidos
O homem de 23 anos confessou participação no roubo mediante sequestro e está preso em flagrante (foto CGN Cascavel)

Cascavel – Um homem de 23 anos identificado como ‘Pequeno’ confessou a participação no sequestro de três moradores de Douradina ocorrido nesta segunda-feira (11), em Cascavel, no Oeste do Estado.

Até o início da noite de quarta-feira (13) ele era o único preso em flagrante acusado de roubo mediante sequestro. No decorrer do dia seis pessoas foram conduzidas até a 15ª SDP de Cascavel para serem ouvidas. Dois policiais, além das vítimas, também prestaram depoimento.

Segundo a polícia, ‘Pequeno’ teria condenações pelo crime de tráfico de drogas.

Agora o foco das investigações é a identificação de todos os envolvidos no crime. A estimativa é que haja entre quatro e oito participantes. Durante o dia, a polícia divulgou o retrato falado de dois suspeitos.

Segundo informado em coletiva a imprensa no fim da tarde de quarta-feira pelo delegado especial do Grupo Tigre, Cristiano Quintas, o homem preso e os outros suspeitos seriam todos moradores do bairro Jardim Melissa, que fica na região Norte de Cascavel, mesma região do cativeiro.

O CATIVEIRO

As três vítimas foram mantidas em um sobrado em construção localizado no bairro Lago Azul, uma região de chácaras e ermo entre a noite de segunda-feira (11) e o fim da tarde de terça-feira (12). Segundo a polícia, os criminosos acreditaram que o sequestro terminaria em pouco tempo.

Quando os familiares das vítimas não pagaram o resgate de imediato, os sequestradores acabaram abandonado o cativeiro. Com isso as vítimas conseguiram se soltar e pedir ajuda em uma casa do bairro.

O RESGATE

Segundo a polícia, os sequestradores pediram R$ 150 mil como resgate para libertar as vítimas. Para pressionar a família, teriam gravado vídeos onde aparecem apontando armas para as cabeças dos moradores de Douradina e afirmando que matariam se não recebessem o dinheiro. A polícia não irá divulgar os vídeos.

Ainda segundo a polícia, tudo indica que os vídeos foram encenações para intimidar familiares e vítimas. Até o momento nenhuma arma foi localizada. O pagamento do resgate não foi feito e a Polícia Civil de Umuarama foi acionada na terça-feira (12) pela manhã, que por sua vez acionou o Grupo Tigre, de Curitiba, especializado neste tipo de investigação.

A ISCA

As três vítimas foram atraídas até Cascavel para a compra de cabeças de gado. Segundo a polícia, o valor da negociação seria entorno de R$ 150 mil, o mesmo pedido como resgate. De acordo com a polícia, ao chegarem no local combinado com os supostos compradores, as vítimas foram rendidas e levadas para o cativeiro.

A caminhonete delas, uma Toyota Hilux atravessou a fronteira com o Paraguai, através da ponte Ayrton Senna, em Guaíra, segundo imagens registradas pela Polícia Rodoviária Federal. Ainda segundo a polícia, o valor acordado para a negociação seria de mercado, não havendo discrepância entre o valor ofertado e o praticado neste tipo de comércio.