Vida e Cultura

Relembrando

“O Dono do Mundo”,

06/03/2021 09H14

Malu Mader e Antonio Fagundes foram os protagonistas da polêmica novela “O Dono do Mundo” / Arquivo GB Imagem

A polêmica novela “O Dono do Mundo”, exibida apenas uma vez, em 1991, pela Rede Globo, também foi exibida em 2014 no canal pago Viva. A trama de Gilberto Braga contou a história do cirurgião plástico Felipe Barreto, primeiro vilão de Antonio Fagundes em novelas. O autor incentivou discussões sobre ética no folhetim que já começava com uma aposta indecorosa.

“O Dono do Mundo” tinha Fernanda Montenegro como a cafetina de luxo Olga Portela, que na novela voltou a contracenar com a amiga Nathalia Timberg, e contava também com Glória Pires, Malu Mader, Stênio Garcia, Paulo Goulart e Kadu Moliterno nos papeis principais. Destacavam-se ainda Ângelo Antônio e Letícia Sabatella, que faziam sua estreia na emissora.

Felipe era um homem arrogante e cafajeste. Casado por interesse com Stella (Glória Pires), filha de Herculano (Stênio Garcia), um rico empresário, conheceu logo no primeiro capítulo Márcia (Malu Mader), noiva de Walter (Tadeu Aguiar), um funcionário de sua clínica. O médico sentiu uma forte atração pela professora, e seu deslumbre pela moça aumentou ao descobrir que ela era virgem. É quando Felipe começa a dar sinais de que sua índole não era das melhores: no casamento, ele apostou com Júlio (Daniel Dantas) que a noiva seria sua na noite de núpcias. E o interesse dele não tinha limites. Felipe ofereceu uma viagem de lua-de-mel aos recém-casados no Canadá, para onde iria a negócios. Por lá, armou para que Walter se ausentasse e assim consegue o que queria. Márcia se entregou ao patrão do marido, antes mesmo de consumar o casamento. A vida dela desmorona: Walter morre em um acidente, ela engravida e sofre com a indiferença do médico e, até mesmo, é expulsa de casa pela própria família.

E não é que as armações de Felipe agradaram ao público? Com o charme do vilão, criado especialmente para Fagundes, os espectadores ficaram ao seu lado e foram resistentes para aceitar o drama de Márcia. A reação inesperada fez com que Gilberto contasse com a colaboração do autor Silvio de Abreu para modificar o perfil de alguns personagens. Em uma das cenas mais simbólicas da trama, Márcia corta o rosto de Felipe com um bisturi e, decidida, promete vingança ao inimigo: “Você vai lamber o chão que eu piso”.