Esportes

LEI DO EX

Ex-artilheiro do Palmeiras dá vitória ao Cruzeiro e vira ameaça ao Verdão na Copa do Brasil

13/09/2018 11H51

Hernán Barcos, 34, foi artilheiro do Palmeiras e campeão da Copa do Brasil de 2012. Só não jogou as duas partidas da final contra o Coritiba por ter sido operado às pressas para retirada do apêndice. Seis anos depois, ele pode tirar seu antigo clube do torneio. O que no futebol fica eternizado como “lei do ex”.
A partida ficou marcada também por um polêmico gol de Antonio Carlos, nos acréscimos, anulado pela arbitragem. Seria o empate.
O atacante argentino fez o gol da vitória do Cruzeiro por 1 a 0, nesta quarta (12), no Allianz Parque, pela partida de ida das semifinais da Copa. A volta será no próximo dia 26, no Mineirão.
O Cruzeiro joga pelo empate para ir à final. Se vencer pela diferença de um gol, o Palmeiras leva a decisão para os pênaltis. Caso ganhe com dois ou mais gols de vantagem, se classifica. Na Copa do Brasil, o gol como visitante não é critério de desempate.
O passe para o gol de Barcos foi feito por Robinho, outro ex-palmeirense. Só faltou o lateral Egídio, vilão da eliminação do time paulista na Libertadores do ano passado (ele perdeu pênalti contra o Barcelona-EQU) também ter participação decisiva. Ele hoje está no Cruzeiro.
Foi a segunda vez que o Palmeiras começou perdendo uma partida desde que Luiz Felipe Scolari assumiu o comando do time, no final de julho. A primeira havia sido contra o Cerro Porteño (PAR), na partida de volta das oitavas de final da Libertadores. Os paraguaios venceram por 1 a 0, mas a equipe brasileira se classificou.
O gol aos 4min, quando Barcos saiu com a bola diante de Weverton e apenas deslocou o goleiro, fez com que o Cruzeiro confiasse ainda mais que seu esquema de se retrair e sair com toques rápidos, era correto. Ainda mais porque o Palmeiras passou a se sentir obrigado a ir mais para o ataque.
Com um pouco mais de precisão de Robinho nos passes, os mineiros poderiam ter levado ainda mais perigo.
O Palmeiras também tentava tocar a bola com velocidade para envolver a defesa adversária. Moisés acertou a trave em jogada individual e Borja tentou um chute de fora da área.
Quanto mais o tempo passava no primeiro tempo, mais a torcida se enervava com o que acreditava ser cera do Cruzeiro. A irritação passou da arquibancada para o campo.
Dudu, não conhecido pela calma, levou cartão amarelo. Chegou a pedir para o árbitro Wagner Reway consultar VAR para mudar a decisão de um lateral. O médico do Cruzeiro e Barcos se enfureceram com os maqueiros que tentaram tirar o argentino de campo quando este estava caído no gramado. Weverton reclamou do tempo gasto.
As constantes consultas do juiz ao sistema eletrônico também Mano Menezes, do sério. Ele sinalizou que a arbitragem deveria confiar mais no que estava vendo em campo.
Ele e o Cruzeiro buscam o segundo título consecutivo da Copa do Brasil. Foram campeões no ano passado diante do Flamengo, que pode voltar a ser adversário em 2018. O clube carioca empatou em 0 a 0 a primeira semifinal contra o Corinthians.
Esperava-se que o Palmeiras voltasse para o segundo tempo para pressionar. Isso não aconteceu. O primeiro chute ao gol após o intervalo aconteceu apenas aos 18min, com o lateral Mayke.
Como todas as equipes dirigidas por Mano Menezes, o Cruzeiro era disciplinado taticamente e paciente para ter a chance para sair da defesa. A estratégia usada nas quartas de final, contra o Santos (quando venceu fora de casa e se deu ao luxo de perder no Mineirão), funcionou mais uma vez.
A partir dos 37min, os donos da casa tiveram um jogador a mais após a expulsão de Edílson por colocar a mão na bola. Ele já havia recebido cartão amarelo. Antes disso, Felipão havia mudado o ataque, tirado Borja e colocado Arthur.
Foi quando a pressão começou.
Como tudo sempre muda no futebol, Egídio parece ter esquecido que não é mais do Palmeiras e tentou empatar a partida com um gol contra. Fábio fez grande defesa e não permitiu. Segundos depois, Lucas Lima acertou a trave.
Houve o gol, as reclamações, bolas na trave… Faltava a polêmica.
No último lance da partida, Fábio saiu do gol e largou a bola e Antonio Carlos fez o gol. O árbitro invalidou o gol, determinando que houve falta no goleiro. (Folhapress)