Cotidiano

DESFECHO

Crianças resgatadas por Conselho Tutelar vão morar com tia em Guaíra

17/10/2018 20H32

A casa foi construída onde antes existia um lixão. no imóvel, a comida é feita em fogão improvisado na área externa

As duas crianças resgatadas pelo Conselho Tutelar de Perobal em situação de risco vão morar com a tia materna em Guaíra, a 100 km de Umuarama.

A decisão foi tomada pela Vara da Infância e Juventude de Umuarama na tarde de quarta-feira (17) após as meninas serem encontradas sozinhas, sem comida e tomando água de um cocho de animais na casa da família, na terça-feira (16), em Perobal. A mãe foi presa em flagrante pela Polícia Civil acusada de abandono material e continua recolhida na cadeia de Umuarama.

Segundo a conselheira tutelar Laura Aparecida da Costa Souza, as crianças foram levadas no fim da tarde de quarta-feira (17) para a casa da tia materna. As crianças, de 7anos e de um ano e oito meses passam a ser acompanhadas pelo Conselho Tutelar e pelo Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Guaíra. “A família é conhecida dos conselheiros de Guaíra. Não são atendidos, apenas conhecidos”, ressaltou a conselheira.

SEM INFRAESTRUTURA

Ainda segundo a conselheira, a casa onde as crianças foram encontradas não tem qualquer infraestrutura, como água encanada, luz elétrica ou mesmo um banheiro com chuveiro e vaso. No local, anteriormente, existia um lixão. A mãe das meninas também não trabalha, aumentando a situação de risco. A mulher e as crianças são de origem paraguaia.

SEM CASA ABRIGO

Segundo o promotor da Vara da Infância e Juventude, Carlos Roberto Moreno, em situações como esta o recomendável é procurar manter as crianças com pessoas que tenham relação de afinidade e abrigos são o último recurso.

No caso das crianças, chegou-se a cogitar o envio para um abrigo em Iporã, mas a tia materna entrou em contato na tarde de quarta-feira (17) pedindo para ficar com as crianças.

ABANDONO MATERIAL

A mãe das crianças foi autuada em flagrante por abandono material. Segundo o delegado-chefe da 7ª SDP, Osnildo Carneiro Lemes, o crime é grave, pela idade das crianças e pela situação que ele classificou como deplorável em que as meninas foram encontradas. A pena para o crime é de seis meses a quatro anos.

PRESENTES

Comovidos pela história das duas meninas, servidores e professores do Núcleo de Educação de Umuarama arrecadaram alimentos, leite, fraudas, além de brinquedos e roupas. Tudo foi entregue ainda na tarde de ontem, em Perobal, na casa dos avós onde as crianças passaram a noite. Após a entrega, as duas meninas foram levadas para Guaíra.