Umuarama

Alerta geral

Aumenta infestação pelo mosquito da dengue em Umuarama

17/11/2018 11H09

A infestação predial pelo mosquito transmissor da dengue em Umuarama ficou em 2,2% de acordo com o quarto Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (Liraa), realizado entre os dias 4 a 8 de novembro pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa)/ Serviço de Vigilância Ambiental. O volume está acima do nível considerado aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 1%, por isso a Secretaria de Saúde do município alerta à população para eliminar recipientes que possam acumular água e dificultar a reprodução do inseto.

A cidade é dividida em 62 setores, cada um com cerca de 800 imóveis, que formam as regiões de 18 unidades básicas de saúde – nove das quais apresentaram índice zero de infestação. Nas outras, o percentual de imóveis onde foram encontradas larvas do mosquito variou na casa de 1% nas unidades de saúde do Parque Vitória Régia, Jardim São Cristóvão e Jardim Cruzeiro.

O índice ficou em 2,4% no Primeiro de Maio e em cinco unidades de saúde o número de moradias em que foram encontradas larvas do mosquito ficou bem acima do aceitável: Parque San Remo (17,4%), Parque Industrial (11,5%), Jardim Panorama (6,7%), Praça Anchieta (5,4%) e Parque Cidade Alta (4,6%). Em 41 dos 62 setores não foram encontradas larvas, mas elas estavam presentes em 21 localidades.

Por bairro, a situação é mais crítica no Jardim São Caetano, onde os agentes de combate a endemias localizaram larvas em 26,9% das casas visitadas. O Jardim Colibri também apresentou alto índice de infestação (23,3%), bem como o Alto da Glória e Jardim Panorama (17,9% em cada). Outros cinco bairros apresentaram ocorrência de larvas em mais de 5% dos imóveis fiscalizados e 12 registraram infestação entre 1,6% e 4,5% dos imóveis.

Principalmente nesses bairros, mas também em outras regiões da cidade, a orientação é eliminar possíveis focos de reprodução do mosquito. “Não podemos descuidar, pois se houver uma grande infestação a dengue pode voltar com força. O mesmo mosquito transmite a febre chikungunya e o zica vírus, que também são doenças perigosas”, orientou a secretária municipal de Saúde, Cecília Cividini.

Quanto à incidência de casos, 38 localidades de Umuarama contam notificação e há dois casos confirmados (ambos autóctones na zona 3 e no Jardim Morumbi – UBS do Parque Cidade Alta). Foram registradas 85 notificações de casos suspeitos, das 74 foram descartadas e 11 permanecem em investigação. “Com muito esforço o poder público tem feito a sua parte, mas a população precisa ajudar a combater o mosquito, eliminando recipientes que possam acumular água e denunciando situações de descaso, como o descarte irregular de pneus e outros resíduos”, solicitou a secretária Cecília Cividini.