Vida e Cultura

Livros

Algumas dicas pra você por a leitura em dia

29/10/2020 17H10

Metafísica dos Clichês – Para Jovens Que Se Tornaram Adultos Cedo Demais

Lucas Pires é um jovem do novo milênio. Nasceu no primeiro trimestre dos anos 2000 e, mesmo com tão pouca idade, já palestra sobre sua história para milhares de pessoas. Os pensamentos e aprendizados do jovem escritor, um menino simples que saiu de Goiás rumo a Brasília para cursar Direito, estão reunidos no lançamento “Metafísica dos Clichês”. Entre os assuntos que Lucas aborda na obra, com a profundidade emocional de quem só viveu sabe, estão os desafios dos jovens negros e periféricos em relação à educação pública, desestrutura familiar e a falta de assistência às minorias. O autor também questiona a meritocracia: “Como vocês têm coragem de vir em nossas casas e dizer que nosso futuro só depende da gente?”, questiona Lucas. Hoje, depois de enfrentar os desafios apresentados na obra, o jovem escritor trabalha no Ministério das Relações Exteriores, é sócio de uma empresa de investimentos financeiros e consolidou carreira como palestrante. Continua estudando Direito e vivendo em Brasília, onde, segundo ele, se sente em casa, mas sabe que é apenas a primeira de muitas cidades que deseja morar. Com 58 páginas, o livro é da Editora Casa Vulgar.

Girassóis em Sagitário

“Girassóis em Sagitário” conta a história das gerações de uma família ao longo de cinco séculos. A publicitária santista Daniela Castro mescla ficção com fatos históricos para discutir a crença dos “Mensageiros do Céu”, teoria que acredita no mau agouro sinalizado pelos fenômenos astrológicos. A pesquisa da escritora para a produção do livro foi extensa. Datas de eventos importantes e personalidades reais se entrelaçam com a trama ficcional.  É o caso de Vicent van Gogh, pintor holandês considerado uma das figuras mais influentes na história da arte ocidental: ao total, foram sete telas de girassóis pintadas, entre elas, aquela que deu nome ao fenômeno astronômico “Girassóis em Sagitário”. As duas brilhantes nebulosas catalogadas no Século XVIII ilustram fenômenos reais que se alinham na narrativa da escritora – tal descoberta foi feita pelo turista astronômico Charles Messier, outro personagem da obra. Charles Joseph Messier é outra personalidade real que se transforma em personagem em uma das passagens da obra. Ele foi um astrônomo francês, conhecido pela publicação de um catálogo de 110 objetos astronômicos, como nebulosas, aglomerados estelares e galáxias que vieram a ser conhecidos como os “objetos Messier”. Na obra, Daniela retrata a paixão do jovem Charles em observar o céu e como esse amor era temido por sua mãe que acreditava nos mensageiros. Já a passagem que se refere ao Século XXII é apenas especulação. “Girassóis em Sagitário”, escrito especialmente para o 5º Prêmio Kindle, discute o medo pelo desconhecido e o poder de transformação do conhecimento. Assim como na vida real, temores, crenças, fé e ciência são os guias da inquietante narrativa de Daniela. O livro tem 93 páginas.

Os Fios da Vida 

O príncipe que já não era mais tão encantado, depressão pós-parto, as dificuldades na infância e a dor pela perda da mãe teceram “Os Fios da Vida” de Angel. A obra da pedagoga e escritora Nanci Otoni, narrada de forma humorística, um dos traços característicos de sua personalidade, é um retrato desenhado em 132 páginas de várias dificuldades enfrentadas por mulheres em algum momento da jornada. A história se passa no ambiente familiar, responsável por vários conflitos vividos por Angel e Prince durante 29 anos de convivência. A frustração com a lua de mel que acabou antes do esperado, além de uma gestação, parto e puerpério traumáticos, comprometeu ainda mais a saúde mental da protagonista que já não viveu uma infância e adolescência com estabilidade. Por meio de terapias, reflexões, autoconhecimento e ressignificações, Angel compreende o que está por trás de tantas dificuldades e dores.  “Os Fios da Vida” é para todo o leitor que ainda espera encontrar a felicidade, mas sem se esquecer das oscilações que uma vida intensamente vivida ainda vai apresentar. O livro é da Editora Albatroz.

Sol e Sombras

Depois do sucesso de “Sol e Sonhos em Copacabana”, primeiro livro da “Trilogia do Sol”, o autor mineiro Aliel Paione lança “Sol e Sombras”. Neste segundo volume da série, conhecidos personagens dos leitores voltam à narrativa de Aliel: Verônica e Henriette, mãe e filha, dividem agora o amor de João Antunes, personagem principal da história. Publicado pela Editora Pandorga, o romance ganha uma carga dramática intensa com a dualidade psicológica dos protagonistas – ao sol e à sombra das emoções – e com os relatos políticos e históricos vividos no Brasil no início do Século XX. João Antunes da Silveira Savelli é um jovem gaúcho, filho de imigrantes açorianos que vieram tentar a vida no Rio Grande do Sul (RS). Com o objetivo de enriquecer, parte para Cavalcante (GO), onde seu amor é disputado por Verônica e Henriette, filha e mãe apaixonadas pelo mesmo homem. Com um temperamento sensível e conflitoso, o protagonista se sente perdido entre dois amores que satisfazem momentaneamente suas emoções. É nesse contexto, em Goiás, que o segundo livro se cruza com a história do primeiro volume. Para quem já leu “Sol e Sonhos em Copacabana”, o lançamento “Sol e Sombras” desenvolve e aprofunda a narrativa proposta inicialmente pelo autor. A Revolução Federalista, a carreira política de Getúlio Vargas, a República Velha e a política do café com leite são exemplos de momentos políticos e históricos registrados na obra. O livro tem 453 páginas.