Policial

FISCALIZAÇÃO

Receita Federal apreende 950 pneus contrabandeados em lojas de Umuarama

14/02/2019 12H20

receita-federal-umuarama

Umuarama – A Receita Federal apreendeu 950 pneus contrabandeados em três das sete empresas revendedoras fiscalizadas na manhã desta quinta-feira (14) em Umuarama.

As mercadorias foram levadas para as delegacias da RF de Cascavel e Maringá. As mercadorias apreendidas estão avaliadas em cerca de R$ 200 mil, segundo a Receita Federal.

Segundo o auditor-fiscal da RF, Evandro Oliveira Calvo, a única penalidade para as empresas é o perdimento da mercadoria.

Não há multas ou punições administrativas”, esclareceu.

SEM NOTA FISCAL

Segundo o auditor, foram retidas mercadorias sem documentos que comprovem a origem do produto. Ele esclareceu que a importação de pneus por pessoa jurídica é possível, desde que feita de forma legal e com o recolhimento dos tributos.

Segundo os agentes da Receita Federal, os pneus importados têm uma característica que facilita a identificação. Por serem carregados uns dentro do outro, a mercadoria é fácil de ser identificada, pois ficam com sinais.

FISCALIZAÇÃO

A operação envolveu 12 servidores da Receita Federal e sete terceirizados de Maringá e Cascavel e aconteceu durante toda a manhã desta quinta-feira nas maiores revendas de pneus da cidade.

Em uma das lojas alvo da apreensão, o proprietário disse que devido a forte concorrência acaba tendo que comprar produtos com valores abaixo do mercado para trabalhar.

O auditor-fiscal da Receita Federal de Maringá, Evandro Calvo, ressaltou que fiscais da Receita Federal passaram pela cidade à paisana, meses passados, verificando os pneus vendidos, desta forma, selecionaram as empresas onde foi realizada a fiscalização.

PERDIMENTO

Após ser determinado o perdimento das mercadorias, elas devem ser doadas para entidades. Foram necessários dois caminhões para carregar os pneus.

O auditor-fiscal ainda ressaltou que novas operações podem ser realizadas em Umuarama não apenas neste, mas em qualquer segmento que inclua produtos importados. “As fiscalizações continuarão ao longo de 2019 sim”, ressaltou Calvo.