Cotidiano

EM TAPEJARA

Primos foram executados porque mataram sem autorização do PCC, diz polícia

07/10/2020 12H26

Dois primos de 22 e 21 anos, foram executados a tiros nesta terça-feira (6) em Tapejara porque teriam matado no dia anterior (5) um homem de 32 anos sem autorização da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). A afirmação é do delegado da Polícia Civil de Cruzeiro do Oeste Izaias Cordeiro Lima, encarregado das investigações dos crimes.

PCC

“Todos os indícios nos levam a essa conclusão até o momento”, afirmou o delegado. Segundo o policial, um dos primos, o de 21 anos, que usava tornozeleira, seria membro da facção criminosa e ele e a outra vítima teriam cometido o primeiro homicídio sem a devida autorização. Ainda segundo Cordeiro Lima, a morte do homem de 32 anos teria sido motivada por ciúmes. Recentemente ele teria dançado com a mulher de um dos primos, que não teria gostado, segundo a polícia.

HOMICÍDIO

“Temos outras linhas, mas tudo indica é que os primos se armaram com pistolas 45 e mataram o homem de 32 anos por ciúmes mesmo”, relatou o delegado. A primeira vítima foi executada com dois tiros no peito no fim da tarde desta segunda-feira (5), quando descia de um ônibus de trabalhadores rurais na avenida Antonio Villela, em Tapejara.

ESTUPRO

A vítima chegou a correr e ser socorrida, mas morreu quando recebia atendimento médico na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade, segundo a Polícia Militar. Ainda segundo a polícia, essa vítima teria saído da Penitenciária Estadual de Cruzeiro do Oeste (PECO) a cerca de duas semanas acusado de estupro de vulnerável. O crime teria ocorrido em fevereiro último.

RECADO

“Acreditamos que isso foi um recado. O que podemos afirmar é que a família da primeira vítima não tem qualquer envolvimento com as duas mortes”, afirmou o delegado. A polícia descarta qualquer possibilidade do duplo homicídio ter ocorrido por causa de vingança.

OS PRIMOS

Os corpos dos primos foram encontrados por volta das 13h30 desta terça-feira (6), na estrada Água da Onça, atrás da associação da usina, na área rural de Tapejara. A estimativa da polícia é que o crime tenha ocorrido no mesmo dia, entre a manhã e o início da tarde. Os corpos foram recolhidos ao IML de Umuarama e posteriormente liberadas para familiares. As duas vítimas eram moradoras de Tapejara.