Região

NO MOMENTO

Presidente do Cisa diz que a aquisição de vacinas por prefeituras, hoje, é uma ilusão

31/03/2021 10H41

Prefeito Cláudio (à direita) alerta sobre o consórcio de vacinas que pode não surtir efeitos agora

O prefeito de Tapira e presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde (Cisa/Amerios), Cláudio Sidiney de Lima, está convencido de que é uma grande ilusão a criação de um consórcio de prefeituras do Brasil para a aquisição de vacinas no exterior contra a covid-19. É que foi formada a ideia de que a prefeitura integrante do consórcio poderá comprar e receber o tanto de vacina que precisa para imunizar a sua população, o que é um equívoco, atualmente.

O prefeito Cláudio deu a definição após participar de uma reunião na sexta-feira dia(26/03) com integrantes da Associação dos Consórcios e Associações Intermunicipais de Saúde do Paraná, a Acispar, e também do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do PR, a Cosems, da Associação dos Municípios do Paraná e Secretaria Estadual da Saúde, entre outros. Eles foram unânimes em dizer que a iniciativa não surtirá o efeito prático imaginado no início.

Isso porque, explica o prefeito, todas as vacinas compradas atualmente pelos estados, prefeituras e iniciativa privada, obrigatoriamente, têm de ser enviadas para o Ministério da Saúde que vai incluí-las no Plano Nacional de Vacinação. Com isso, as vacinas serão distribuídas de forma igualitária para todo o País.

Outro problema é que também não existem vacinas à disposição para aquisição em lugar nenhum do planeta. O que mais tem é tentativa de golpes como o que quase caiu um consórcio de medicamentos do Paraná que estaria em contato com uma empresa internacional para comprar vacinas, mas quando foi verificar os endereços e os dados descobriu que era uma imobiliária nos Estados Unidos e estariam tentando aplicar o golpe.

Por enquanto, o único caminho é esperar pelos lotes do Ministério da Saúde que estão chegando a conta gotas, como diz o próprio prefeito, mas já estão ajudando a imunizar a população. Ele acredita que mais adiante, quando tiver maior oferta de vacinas no mercado, os próprios consórcios de Saúde ou as prefeituras poderão comprar até isoladamente a quantidade que precisarem. “Mas hoje em dia alguns estão aproveitando para fazer politicagem e tem muita informação desencontrada, muitas fake news, que jogam a população contra os gestores públicos e isso não ajuda em nada”, comenta.

Frente Nacional

Mesmo assim, a Frente Nacional de Prefeitos criou um consórcio nacional para a aquisição de vacinas contra a covid-19. O grupo, que ganhou o nome “Conectar”, foi instituído por meio de uma assembleia virtual. Na região de Umuarama, poucas prefeituras aderiram ao consórcio e estão providenciado as documentações para ficarem em dia e prontas para participarem das aquisições.