Umuarama

Lockdown

Prefeitos da Amerios buscam meios legais para amenizar colapso da Saúde Regional

19/03/2021 18H44

Com taxa de contágio regional de 48%, sem leitos e insumos para manter pacientes nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), Umuarama e região estudam decretar lockdown na próxima semana de pelo menos 10 dias. A medida seria a última alternativa para conter o avanço da doença transmitida pelo coronavírus, uma vez que parte da população não realiza do distanciamento social pregado há tempos.

Duas reuniões foram realizadas ontem na prefeitura de Umuarama, para discutir o possível fechamento das cidades. Na primeira, representantes do comércio de Umuarama, saúde, sociedade civil e Polícia Militar discutiram o problema da covid-19 e entenderam que o fechamento seria a única forma de reduzir a transmissão da doença. No período da tarde, os prefeitos da Amerios também dialogaram sobre o colapso impresso pelo coronavírus em Umuarama e região. A maioria entendem que aumentar as restrições poderia trazer fôlego para o sistema de saúde e também a economia regional.

A diretora da 12ª Regional de Saúde, Viviane Herrera, explanou sobre a transmissão do coronavírus na região e conforme ela, a regional registrou a triste marca de 24 mortes por covid-19 em uma semana, porém, tal número pode ser maior. “Nunca havíamos registrado essa quantidade de óbitos em uma semana. Não temos leitos nos hospitais, não podemos nem discutir abrir mais leitos, pois não temos profissionais e nem remédios para tal. A situação é realmente grave. Não temos anestésicos nem para atender as cirurgias, como as cardíacas ou os traumas. Vai morrer gente de covid-19 e outras comorbidades”, disse.

A região de Umuarama registrou 236 óbitos por covid-19 até o momento, sendo que 24 só na última semana. Já a macrorregião conta com 129 pessoas esperando por um leito covid. “Temos uma paciente de 27 anos intubada no Pronto Atendimento em Umuarama. Pessoas jovens estão à beira da morte e não tem outra forma de levar essa pandemia. Precisamos de união para baixar a taxa de ocupação de leitos ou a gente se conforma que pessoas vão morrer diariamente”, enfatizou Viviane Herrera.

Lockdown

O prefeito de Icaraíma e presidente da Amerrios, Marcos Alex Oliveira, explicou que a equipe da associação vai idealizar um documento para apresentar aos prefeitos na próxima segunda-feira (22) e definir se a ação de fechar as cidades será seguida por todos. “Ainda existe uma dúvida principalmente dos municípios vizinhos de outras associações. Então vamos estudar a melhor forma de promover essa ação visando salvar vidas”, explicou.

Umuarama

O município que mais absorve o colapso impresso pelo coronavírus é Umuarama, pois o sistema de saúde atende toda região, desta forma o prefeito Celso Pozzobom voltou a ressaltar que não adianta apenas Umuarama aplicar o lockdown, se as demais cidades da região não seguirem a restrição. “Agora a Amerios vai estruturar uma espinha dorsal do documento visando aplicar as restrições perante a lei. A partir daí vamos continuar o debate com os prefeitos”, ressaltou.

Mortes

A secretária de Saúde de Umuarama, Cecilia Cividini, voltou a noticiar que pessoas estão morrendo tragicamente aguardando leitos. “Os pacientes não tem morrido por falta de assistência, mas por uma superlotação de leitos de assistência especializada. Podemos colocar camas leitos, mas se não tiver assistência especializada não vai adiantar. Neste momento se faz necessário que tenhamos restrições muito mais severas para conter a transmissão”, enfatizou.