Policial

MORTE VIOLENTA

Polícia investiga se morte de moradora de rua foi ‘briga de momento’

22/04/2019 14H34

Umuarama – A Polícia Civil investiga se a morte da moradora de rua Miriam de Oliveira Marcolino, 36 anos, conhecida como Mariani, foi uma ‘briga de momento’.
“Tudo indica que ela não foi atraída até o local do crime para ser morta. Aparentemente ela e outra pessoa estavam no local e por algum motivo houve um desentendimento que resultou na agressão e na morte da vítima”, ressaltou o superintendente da 7ª SDP, Aécio Silveira.
O policial salientou ainda que a arma do crime seria improvisada. “Possivelmente foi um pedaço de folha de zinco, encontrado no local com manchas de sangue e que foi apreendido pela perícia”, explicou.
Segundo Silveira a vítima tinha um corte profundo no pescoço e diversos ferimentos pelo corpo. “A causa da morte mesmo somente com o laudo do IML.”, disse o policial. Ainda segundo o superintendente, a vítima era usuária de drogas e testemunhas contaram que o local do crime é ponto onde dependentes químicos usam para consumo.

UM SUSPEITO

De acordo com a polícia, um dos possíveis suspeitos é um companheiro da vítima. Até o momento o nome e o paradeiro do homem não são conhecidos. “Nos disseram que ela reclamou que estava sendo agredida por esse companheiro, mas ainda estamos apurando quem seria ele e onde encontrá-lo, já que também é morador de rua”, disse Silveira.
Segundo a Polícia Militar, uma denúncia anônima levou a equipe até a rua Genivaldo José dos Santos, no Jardim Sam Martin, em Umuarama. No local os militares encontraram o corpo da vítima em meio a matagal. A mulher estaria deitada de bruços em uma poça de sangue. A estimativa da perícia é que a morte tenha ocorrido entre a noite de quinta-feira (18) e a madrugada de sexta-feira (19).
Uma filha da vítima contou à polícia que a mãe era usuária de drogas e vivia nas ruas há 11 anos. ‘A Míriam sempre podia ser encontrada no sinaleiro na avenida Angelo Moreira da Fonseca, próximo a Zaeli. Ali era um ponto em que ela ficava”, informou o policial.
Ainda segundo Silveira, a polícia tenta apurar onde Miriam Marcolino estava residindo. A informação levantada é que seria em um quarto nos fundos de uma borracharia na PR-323.