Cotidiano

ELUCIDADO

Polícia elucida latrocínio em Perobal e prende dois envolvidos

08/04/2020 18H27

Na casa de uma das suspeitas a Polícia Civil apreendeu drogas, balança de precisão e anotações sobre o tráfico – foto divulgação Polícia Civil

Umuarama – Após sete meses de investigações a Polícia Civil prendeu na tarde desta quarta-feira (8) em Guaíra e Cafezal do Sul, um casal apontado como participante do latrocínio do sitiante Kazuo Sakata, então com 78 anos, em julho de 2019. Um terceiro envolvido no crime, M.C.R.S.de 21 anos, foi preso e identificado no dia 30 de julho, após ser preso em Cascavel com a arma do crime.

FLAGRANTE

Com a suspeita T.C.D.S.M., 28 anos, apontada como namorada de um dos suspeitos, a polícia encontrou 375 gramas de maconha embaladas e prontas para a venda, uma balança de precisão e um caderno com anotações sobre a venda de drogas, segundo a polícia.

Ela foi encaminhada à Delegacia de Guaíra e autuada pelo crime de tráfico de drogas. Quanto ao latrocínio, segundo investigado, ela participou tanto da fase de preparação como da execução do crime e estava na propriedade rural no momento do assalto, segundo a polícia.

TORNOZELEIRA

O outro suspeito, E.A.D.M (25 anos), foi capturado em Cafezal do Sul. Ele já cumpre pena com o uso de tornozeleira eletrônica pela prática de outro crime. Segundo a polícia, as investigações indicam que foi ele quem teve a ideia de realizar o roubo contra as vítimas e também foi quem passou todas as informações para os demais autores, além de ser o responsável por providenciar as munições calibre .38 que foram usadas no crime.

Segundo o delegado-adjunto da 7ª SDP, Gabriel Menezes, as investigações deste caso foram extremamente complexas e contaram com o uso de várias ferramentas tecnológicas. Para completa elucidação do crime o Grupo de Diligências Especiais de Umuarama (GDE) realizou investigações nas cidades de Perobal, Cafezal do Sul, Iporã, Guaíra e Cascavel.
Os suspeitos foram presos por mandados de prisão preventiva e seguem à disposição da Justiça para responsabilização penal. A mulher ficará detida na cadeia pública de Guaíra. O homem permanecerá na cadeia pública de Umuarama. O interrogatório dos suspeitos deve ocorrer nesta quinta-feira (9).
O CRIME
No dia 24 de julho de 2019, por volta das 22h40min, três criminosos armados ingressaram na propriedade rural localizada às margens da PR 323, Km 313, área rural do município de Perobal, com objetivo de subtrair um veículo e determinada quantia em dinheiro. No local morava um casal de idosos.
Segundo a polícia, o apurado durante as investigações apontam que os criminosos chegaram na propriedade rural por volta das 19h daquele dia, mas como não havia ninguém no local eles se esconderam e aguardaram a chegada dos proprietários.

Por volta das 22h os casal de idoso chegou e logo ingressou na residência, permanecendo no seu interior com as portas fechadas. Nesse momento os criminosos decidiram agir, então um deles tentou ingressar na casa pela porta da frente do imóvel, mas ao perceber que a porta estava trancada efetuou disparos na fechadura com um revólver calibre .38.

Segundo a polícia, os disparos assustaram os idosos, que correram dentro da casa para se proteger. Ainda segundo a polícia, os criminosos interpretaram essa movimentação como uma reação das vítimas, então efetuaram um disparo de arma de fogo pela janela da casa, vindo a atingir Kazuo Sakata, que não resistiu ao ferimento e veio a óbito ainda no local.
CONFISSÃO

Seis dias após o latrocínio, M.C.R.S. de 21 anos, confessou ser o autor do disparo que matou a vítima, após ser preso em Cascavel em flagrante por causa de um roubo a mão armada. Com esta prisão descobriu-se que mais duas pessoas atuaram na ação criminosa.

“Contudo, até aquele momento não haviam informações sobre a identidade destes outros indivíduos. A partir de então iniciou-se uma nova fase de investigações que durou cerca de sete meses e, ao final, foi possível identificar os demais suspeitos assim como o envolvimento de cada um deles”, explicou o delegado.
Sobre o nome da operação, HANZAI significa “crime” em japonês. O nome foi escolhido em alusão a ascendência das vítimas.