Umuarama

Meio Ambiente

Pesquisadoras do IFPR esclarecem monitoramento sobre água do Rio Piava

27/05/2019 10H56

Após as discussões sobre a possível presença de agrotóxicos na água de Umuarama, a pesquisa de mestrado em sustentabilidade do IFPR – Campus Umuarama, realizada pela bióloga Priscila Brustin, coordenada pelas professoras Norma Barbado e Patrícia Gomes, começou a ser citada de forma errônea no assunto. Em entrevista ao jornal Umuarama Ilustrado, as pesquisadoras esboçaram as abordagens que envolvem o estudo.

Segundo Priscila Brustin, a pesquisa em andamento prevê entender o impacto ambiental dentro da Apa do Rio Piava, como também, contempla analisar a qualidade da água. Porém, com objetivo de traçar um diagnostico da APA no âmbito da preservação e posteriormente agregar informações visando melhorias ambientais para o local. “O que tem que ficar bem claro é que estamos levantando informações nas nascentes no Rio Piava, não da água que sai na torneira dos umuaramenses”, ressaltou Priscila.

As entrevistadas explicaram que os dados levantados precisam ser analisados estatisticamente e comparados com os padrões do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). “É uma pesquisa, não é um levantamento qualquer. Pode ser que encontramos na água substâncias, porém permitidos dentro do padrão do Conoma, que são valores internacionais de saúde. Se essas substâncias aparecerem, mesmo dentro do padrão aceitável, ainda podemos levar informações de como melhorar isso. Mas, volta a reforçar: não podemos falar que a água que chega na torneira tem agrotóxico, pois não realizamos a coleta na torneira”, explicou.

Com a finalização da pesquisa e a formatação dos dados, as pesquisadoras terão informações concisas da situação ambiental da APA. Consecutivamente, os dados poderiam auxiliar no desenvolvimento de politicas públicas, no sentindo de promover a preservação do manancial com olhar voltado para o desenvolvimento dos produtores rurais daquela região.

O trabalho está em andamento, sendo que algumas coletas já foram realizadas, mas é preciso fechar um ano de pesquisa. Por isso, não tem como fazer uma divulgação de resultados parciais, isso não existe dentro de uma pesquisa séria”, alertou a coordenadora Norma Barbado.

Em resumo, o estudo do mestrado está olhando a Apa do Rio Piava como um todo e não foca apenas em análise físico-químico da água. O estudo abrange mapeamento da APA, monitoramento da qualidade da água e presença de macroinvertebrados (bioindicadores).