Vida e Cultura

Orjum

Música e educação ajudam a mudar as histórias de alunos em Umuarama

14/11/2018 10H37

Reconhecida como meio para o desenvolvimento mental, a música sempre esteve presente na sociedade humana e um projeto do Colégio Estadual Padre Manoel da Nóbrega de Umuarama está formando músicos por meio do social. Regidos pelo maestro Samuel de Siqueira, 40 alunos formam a Orquestra Jovem de Umuarama (Orjum).

O projeto começou em 2016 com a iniciativa de uma professora do colégio, que encontrou o maestro Samuel, recém-chegado de São Paulo. Com apoio do Ministério do Trabalho, para comprar os instrumentos, a orquestra do Colégio Estadual Padre Manoel da Nóbrega os primeiros acordes. “Já passaram pela orquestra mais de 50 alunos e hoje somos em 40 músicos. Só não atendemos mais, pois não temos instrumentos para tanto. A Orjum é um projeto social e trabalhamos de forma voluntária para resgatar os nossos jovens, desta forma levando cultura, desenvolvimento social e educacional”, ressaltou o maestro.

Os jovens músicos de Umuarama, que nunca tiveram contato com algum instrumento antes, hoje já se apresentam em vários eventos não só em Umuarama, como no Festival de Música de Londrina.

Na escola, os alunos ensaios duas vezes por semana e aprendem a tocar violino, violoncelo, contrabaixo acústico e a intenção agora é buscar os instrumentos de sopro, como clarinete, saxofone, flauta transversal e oboé. “É muito satisfatório ver essas crianças crescendo como músicos. Pois a música requer disciplina em todos os setores e o trabalho de equipe, além do cognitivo e respeito. Então, mesmo que não forem músicos profissionais, mesmo assim, serão músicos para vida toda”, ressaltou Siqueira.

Histórias de vida

Alex Sandro Camargo Mendes, 15 anos, aluno da escola e integrante da Orjum, tem uma rotina agitada e mesmo assim dedica uma hora e meia todos os dias para estudar o violoncelo. Além dos estudos e ensaios, o jovem participa de projetos e quando chega em casa a noite sempre busca seu amigo, o violoncelo. Mendes já se apresenta em eventos na cidade. “A música transformou minha vida e quero fazer uma faculdade de música e ser um músico profissional”, disse.

Sergio Luiz Ocaso, 13 anos, toca violino na orquestra e nunca imaginou que poderia tirar algum som de tal instrumento. “Sempre gostei de música, mas era difícil ter um instrumento. Hoje a música é minha vida, pois ela transforma as pessoas. Também quero fazer uma faculdade de música e seguir na carreira. Para isso, estou estudando muito”, reforçou o jovem.

A escola

Nelci Terezinha Berllio Soares, diretora do colégio, confirma a transformação dos alunos por meio da música. “A música faz parte da educação e ela eleva as pessoas. Essa transformação foi notada dentro e fora da escola com os alunos participantes da orquestra. Hoje temos estudantes mais dedicadas, pois eles sabem o valor do conhecimento. Neste sentido é que precisamos investir nos nossos jovens em busca de um País melhor”, finalizou.