Umuarama

EM UMUARAMA

Levantamento aponta baixo índice de infestação do mosquito da dengue

08/11/2022 17H16

Jornal Ilustrado - Levantamento aponta baixo índice de infestação do mosquito da dengue

O Índice de Infestação Predial (IIP) apurado durante o sexto levantamento de índice rápido de infestação pelo mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti, em Umuarama, ficou abaixo do limite de segurança de 1% estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Realizado no período de 31 de outubro a 4 de novembro, o Liraa revelou um IIP de 0,8%. que deixa a cidade com baixo índice de infestação.

O resultado, porém, não é motivo para relaxar nos cuidados. Umuarama já conta com 53 casos positivos de dengue, registrados a partir de 31 de julho deste ano – quando iniciou-se um novo período sazonal para a doença. Há ainda 58 suspeitas em investigação, que podem descartar ou confirmar novos casos.

Dos 61 bairros/localidades em que a cidade é dividida, 50 tiveram índice zero de larvas do mosquito e 11 tiveram infestação. Os locais com maior incidência do mosquito foram as regiões da Igreja São José Operário (larvas encontradas em 8,9% dos imóveis visitados pelos agentes de combate a endemias), Escola Malba Tahan (7,7%), Parque do Lago (5,9%) e Jardim Lisboa (5,3%).

Jornal Ilustrado - Levantamento aponta baixo índice de infestação do mosquito da dengue

Houve infestação alta ainda no Parque Bonfim, Jardim Verde Vale, Parque Dom Bosco, Conjunto Habitacional Sonho Meu, Jardim Colorado, Escola Municipal Souza Naves e Jardim Arco Íris, com índices variando entre 2,0% e 4,3%. Na avaliação por unidade básica de saúde (UBS), em nove das 18 regiões da cidade não foram encontradas larvas. Nas demais, o índice variou de 0,5% a 2,9% – com maior incidência na UBS Bem-Estar, seguida pelo Parque Industrial (2%), Lisboa e Sonho Meu (1,6%) e Centro de Saúde Escola (1,5%).

Quanto à incidência de casos, bairros próximos às unidades de saúde Ouro Branco e São Cristóvão estão em situação de alerta, em 12 UBS urbanas mais o distrito de Roberto Silveira há baixa incidência e apenas quatro unidades de saúde e os demais distritos ainda não tiveram confirmações.

Por isso, o momento exige foco na prevenção. “Temos de manter os cuidados com a limpeza dos quintais, das calhas e cuidados com vasos de flores, além de cobrir eliminar recipientes que possam manter água parada. Enquanto mantivermos a proliferação do mosquito sob controle evitaremos uma propagação maior dos casos, que já vêm aumentando em várias regiões do Estado”, recomendou o secretário municipal da Saúde, Herison Cleik da Silva Lima.

Gráfico – clique aqui