Região

ELEIÇÕES 2020

Justiça Eleitoral garante a candidatura de Tatinha para prefeito de Douradina

24/10/2020 07H01

Candidato a prefeito Tatinha e a vice Cidão na convenção do Patriota

Douradina – O juiz da 142ª Zona Eleitoral à qual pertence o município de Douradina, Adriano Cezar Moreira, assinou sentença neste sábado dia 24 que defere a candidatura de Marcos Larussa Gil (Patriota), o Tatinha, a prefeito de Douradina e de Francisco Aparecido Almeida (PSD), o Cidão, candidato a vice-prefeito. A sentença também garante as candidaturas de vereadores da coligação “Douradina com Trabalho e Experiência”.

A Justiça Eleitoral se manifestou porque o advogado Ademir Gimenes Gonçalves, também do partido Patriota, realizou convenção e pediu o registro da sua candidatura para prefeito pelo Diretório Municipal do Patriota, enquanto Tatinha foi aprovado como candidato pela Comissão Provisória do Patriota, ambos do município. Segundo consta nos autos, o Diretório Municipal presidido pelo próprio Dr. Ademir não teria obedecido o Diretório Nacional do partido na convenção realizada em junho passado, mas se baseado no Diretório Estadual do Patriota. Por isso, o Diretório Nacional destituiu o Diretório Municipal e criou a Comissão Provisória presidida por Antonio Raimundo da Silva que aprovou as candidaturas de Tatinha e Cidão, além dos candidatos a vereadores.

Conforme relatou no processo o promotor da Justiça Eleitoral, Fábio Hideki Nakanishi, da zona 142, e foi acatado pelo juízo, “a legitimidade para a indicação de candidatos para as eleições de 2020, passou a ser da Comissão Provisória criada pelo Diretório Nacional do Partido PATRIOTA.Isso porque, a eleição do Diretório Municipal, em Convenção realizada em 1° de junho de 2020, não foi previamente autorizada pelo Diretório Nacional do Partido, conforme estabelece, de forma expressa, o art. 17, letra “d” do seu estatuto. Além disso, o Diretório Municipal, teria sido dissolvido pelo Diretório Nacional do Partido PATRIOTA, com a criação de uma Comissão Provisória, em reunião extraordinária, a princípio, com a observância das normas do estatuto”.

Na sentença deste sábado, a candidatura de Ademir Gimenes Gonçalves, da vice Alcineide Cardoso Fermino e dos candidatos a vereadores foram todas indeferidas, ou seja, não foram aceitas pela Justiça Eleitoral.

E foram deferidos os registros de candidaturas da Coligação liderada por Tatinha e Cidão para a eleição majoritária, bem como da Comissão Provisória do Patriota para a eleição proporcional, em razão da legitimidade da referida Comissão Provisória e da validade da convenção que escolheu Tatinha e Cidão. A defesa da referida coligação é feita pelos advogados José Carlos Pantaleão Ribeiro e Paulo Cezar de Souza.

Dr. Ademir disse na tarde deste sábado ao Ilustrado que ainda não tinha conhecimento da decisão judicial e somente após verificar a sentença vai decidir se recorre ou não da decisão.