Vida e Cultura

Mundo Artístico

Inédita, “Nos Tempos do Imperador”

12/08/2021 06H46

Dom Pedro II ( Selton Mello ), Leopoldina ( Melissa Nobrega ), Teresa Cristina ( Letícia Sabatella ) e Isabel ( Any Maia )

Após ter suas gravações interrompidas pelo agravamento da pandemia, a novela que conta a saga de Dom Pedro II finalmente vai ao ar

A pandemia obrigou as emissoras de televisão a reprisarem várias de suas atrações, mas agora vem novidade boa na telinha da Globo. Nesta segunda, estreia a tão esperada “Nos Tempos do Imperador”. A primeira novela inédita no horário das 18 horas desde que foi decretada a pandemia. A obra, escrita e criada por Alessandro Marson e Thereza Falcão, e dirigida por Vinícius Coimbra, fala sobre escolhas e sacrifícios. Desafios, conquistas, batalhas, vitórias e derrotas. E, claro, grandes paixões. As gravações começaram em março de 2020, mas com o agravamento da Covid-19 precisaram ser interrompidas. Os trabalhos nunca pararam totalmente, mas as gravações retornaram apenas em novembro do ano passado.

Promessa de ser uma continuação de “Novo Mundo”, que foi exibida pela Globo em 2017 e reprisada no ano passado, retratando um país nascendo com a chegada da família real portuguesa, “Nos Tempos do Imperador” agora aborda um Brasil já sólido, com um imperador brasileiro, educado neste país, que vai colocar todo o seu conhecimento a serviço da pátria. 

Em “Nos Tempos do Imperador”, mais de 30 anos se passaram após a Proclamação da Independência. O país em construção, ainda na formação de um Império, deu lugar a um Brasil em busca de identidade e progresso. O ano é 1856, e Dom Pedro II (Selton Mello), o líder que persegue esses ideais. Garantir a integração da nação e ampliar os horizontes do povo, investindo na educação, seriam as chaves para o futuro, na sua visão. A obra, ambientada no Rio de Janeiro, mostra personagens que, assim como Dom Pedro II, são movidos por grandes causas. Ao lutarem por suas paixões, acabam impactando toda a sociedade. 

Nesse contexto, o público vai acompanhar a saga do casal Pilar (Gabriela Medvedovski) e Jorge/Samuel (Michel Gomes). Ambos travam batalhas pessoais para mudar seus destinos. Ela quer ser médica, mas vive em uma sociedade que não aceita que mulheres estudem. Ele quer viver em uma cultura mais igualitária, pois é negro e perseguido diante de sua condição de ex-escravizado. Suas trajetórias se cruzam com as dos personagens históricos: o Imperador Dom Pedro II, a Imperatriz Teresa Cristina (Leticia Sabatella) e Luísa, a Condessa de Barral (Mariana Ximenes). 

Dom Pedro II precisou assumir cedo a responsabilidade com a política. Com apenas cinco anos, dois dias após a volta de seu pai, Dom Pedro I, para Portugal, com o intuito de disputar a coroa portuguesa, tornou-se Imperador do Brasil, sob regência. A mãe, Leopoldina, morreu quando Pedro tinha um ano, e sua educação foi conduzida por preceptores. Teve sólida formação, muito focada em alta cultura, ciência e tecnologia. A administração do Brasil ficou a cargo de regentes, até que, aos quatorze anos, com a Lei da Maioridade, foi declarado apto a assumir a coroa. 

Muito jovem e sem os pais presentes, precisou amadurecer rápido e aprendeu que, antes de pensar em si mesmo, deveria colocar o país à frente dos seus sonhos. Na Corte, ficou conhecido como o “Imperador Viajante”, pois buscou percorrer o extenso território brasileiro, de forma a manter a unificação do Brasil.  

Casou-se por procuração com Teresa Cristina, fruto de um acordo político com a Casa Dinástica Europeia de Bourbon, visando garantir a sucessão ao trono, e só a conheceu depois. No entanto, aprendeu com ela os valores do casamento, da amizade e da família. Juntos, são pais de Leopoldina (Melissa Nóbrega/Bruna Griphao) e Isabel (Any Maia/Giulia Gayoso),e lutam por um país mais justo, igualitário, com oportunidades na educação e nas artes para toda a população, mas enfrentam um caminho cheio de obstáculos. 

Com ambientes que retratam o Brasil da segunda metade do Século XIX, “Nos Tempos do Imperador” mantém alguns dos cenários utilizados na novela “Novo Mundo”, mas que sofreram as ações do tempo, como o Palácio da Quinta. O cenógrafo Paulo Renato, que também assinou a cenografia da primeira trama, é o responsável pelo trabalho, ao lado de Paula Salles. Nesta nova empreitada, eles têm o desafio de ultrapassar as três décadas que separam as duas novelas. Para isso, criaram novos ambientes para retratar os avanços do Brasil. 

Com uma área de 8,2 mil metros quadrados nos Estúdios Globo, a cidade cenográfica da novela reproduz as regiões cariocas da Rua do Ouvidor, da Pequena África, interligada com o Cais do Valongo, além do Passeio Público e a orla, que foi urbanizada e passou a ser frequentada na época. A cidade foi separada em dois espaços muito distintos visualmente: o novo, urbanizado, comercial; e o da Pequena África, empobrecido, envelhecido, antigo e colonial. O primeiro é o que Dom Pedro II gostaria de traçar para o Brasil; o segundo, representa a realidade que vinha se perpetuando. 

A novela vai contar também com cenários grandiosos, que ocupam boa parte do estúdio, como o Palácio da Quinta, onde Dom Pedro II vivia com a família, que ganha uma nova roupagem. No Segundo Império há bastante alteração, e o palácio fica mais sóbrio, pois passou por reformas ao longo dos anos, desde quando Dom João VI o encontrou.

Na Quinta, há uma austeridade, como em “Novo Mundo”, mas dessa vez mais arrojada, pela seriedade e erudição de Dom Pedro II que achava um absurdo gastar dinheiro à toa. Nos utensílios de uso da família, predomina a prataria gasta.

Dom Pedro II e Teresa Cristina tinham um acervo próprio dentro do palácio. Para reproduzir as peças, que até setembro de 2018 podiam ser vistas no Museu Nacional do Rio de Janeiro, que incendiou, foram realizadas pesquisas através de documentos da Biblioteca Nacional, onde estão as descrições do museu. Muitos objetos foram reproduzidos na fábrica de cenários dos Estúdios Globo.

Sem dúvida alguma, “Nos Tempos do Imperador” é uma superprodução que com certeza poderá cair no gosto dos fãs dos folhetins de época.

Quem é Quem!?

Dom Pedro II (Selton Mello) – Imperador do Brasil, viajante, querido pelo povo, trabalha pelo progresso do país e para ampliar os horizontes da população investindo na educação.

Teresa Cristina (Leticia Sabatella) – Imperatriz do Brasil. Casada com o Imperador Dom Pedro II (Selton Mello). Protege a família acima de tudo e apoia o Imperador nas decisões que envolvem o progresso do Brasil. Foi a grande responsável pela criação do acervo arqueológico nacional, incentivadora das artes e da imigração italiana para o Brasil.

Isabel (Any Maia/Giulia Gayoso) – Princesa do Brasil, futura regente.

Leopoldina (Melissa Nóbrega/Bruna Griphao) – Princesa do Brasil. É impetuosa e tem o apelido de Dina.

Lurdes (Lu Grimaldi) – Tem o título de Baronesa de Seropédica. É uma criada antiga do Palácio. Chegou ao Brasil com a futura Imperatriz Leopoldina e, após sua morte, acompanhou o crescimento de Dom Pedro II (Selton Mello). Tem muito carinho pelo Imperador.

Nicolau (Cassio Pandolfh) – Mordomo do Palácio de Dom Pedro II (Selton Mello). Tem um carinho especial por Lurdes (Lu Grimaldi). 

Celestina (Bel Kutner) – Dama-de-companhia de Teresa Cristina (Leticia Sabatella). Possui o título de Baronesa de Urú. É muito fiel à Imperatriz e vive às turras com Lurdes (Lu Grimaldi). 

Gastão (Daniel Torres) – Francês, vem ao Brasil para se casar com Isabel (Giulia Gayoso). Tem o título de Conde D’Eu.

Augusto (Gil Coelho) – Vem ao Brasil a pedido da Imperatriz Teresa Cristina (Leticia Sabatella) para se casar com Isabel (Giulia Gayoso), mas acaba se apaixonando por Leopoldina (Bruna Griphao). É o Duque de Saxe-Coburgo.

Luísa (Mariana Ximenes) – Possui o título de Condessa de Barral. Baiana, é casada com Eugênio (Thierry Tremouroux) e mãe de Dominique (Thor Becker). É uma mulher moderna, empoderada e foi educada na Europa, por isso domina diversos assuntos e sabe muito bem aonde quer chegar.

Eugênio (Thierry Tremouroux) – Conde de Barral. É casado com Luísa, a Condessa de Barral (Mariana Ximenes), com quem tem o filho Dominique (Thor Becker). Se incomoda com a proximidade entre Dom Pedro II (Selton Mello) e a Condessa.

Dominique (Thor Becker) – Filho de Luísa (Mariana Ximenes) e Eugênio (Thierry Tremouroux). 

Justina (Cinara Leal) – Trabalha na casa de Eugênio (Thierry Tremouroux) e Luísa (Mariana Ximenes), e é confidente da Condessa. Ajuda a cuidar de Dominique (Thor Becker).

Luís Alves Lima e Silva (Jackson Antunes) – Marquês e futuro Duque de Caxias, é presidente do Conselho da Câmara dos deputados. Muito próximo a Dom Pedro II (Selton Mello).

Nino Sorrento (Raffaelle Casuccio) – Jornalista italiano de uma publicação republicana, é opositor de Dom Pedro II (Selton Mello). 

Solano López (Roberto Birindelli) – Comandante das tropas do Paraguai é um dos principais inimigos de Dom Pedro II (Selton Mello).

Coronel Eudoro (José Dumont) – Viúvo, fazendeiro e coronel da Bahia. É pai de Pilar (Gabriela Medvedovski) e Dolores (Daphne Bozaski). Manteve Pilar em um convento e prometeu a mão da filha em casamento para o filho de seu compadre Ambrósio (Roberto Bonfim), Tonico (Alexandre Nero).

Pilar (Gabriela Medvedovski) – Filha de Eudoro (José Dumont) e irmã de Dolores (Júlia Freitas/Daphne Bozaski). Perdeu a mãe quando era criança. Passou muitos anos em um convento e enfrenta, desde pequena, o peso de ser uma mulher do Século XIX. Sonha em se tornar médica, mas o objetivo de seu pai é que ela se case com Tonico (Alexandre Nero).

Dolores (Júlia Freitas/Daphne Bozaski) – Filha de Eudoro (José Dumont) e irmã de Pilar (Gabriela Medvedovski) sofre quando a irmã vai embora para o Rio de Janeiro.

Jorge/Samuel (Michel Gomes) – Filho bastardo do coronel Ambrósio (Roberto Bomfim), de quem foi escravo, e irmão de Tonico (Alexandre Nero). Homem corajoso e honesto, acredita na integração entre negros e brancos.

Coronel Ambrósio (Roberto Bomfim) – Fazendeiro e coronel na Bahia. Pai de Tonico (Alexandre Nero) e Jorge/Samuel (Michel Gomes). Vendeu Jorge/Samuel, quando ele ainda era criança. 

Tonico Rocha (Alexandre Nero) – Formou-se em Direito em Pernambuco ao lado de Nélio (João Pedro Zappa). Ao retornar para a fazenda do pai, o coronel Ambrósio (Roberto Bomfim), candidata-se a deputado pela Bahia. É irmão de Jorge/Samuel (Michel Gomes), mas não sabe desse parentesco, afinal, o jovem é fruto do relacionamento do pai com uma escrava.

João Batista Pindaíba (Ernani Moraes) – Marido de Carlota Maria (Paula Cohen), a Lota, e pai de Bernardo (Gabriel Fuentes) e Nélio (João Pedro Zappa), braço-direito de Tonico (Alexandre Nero). É dono de uma pequena propriedade rural em Pindamonhangaba, que vem aumentando graças à grilagem.

Carlota Maria Pindaíba (Paula Cohen) – Mais conhecida como Lota. Casada com João Batista (Ernani Moraes), é mãe de Bernardo (Gabriel Fuentes) e Nélio (João Pedro Zappa). Mora em Pindamonhangaba com o marido, mas viaja com ele para o Rio de Janeiro. Sonha em ter um título da nobreza.

Bernardo Pindaíba (Gabriel Fuentes) – Filho de João Batista (Ernani Moraes) e Lota (Paula Cohen). É irmão de Nélio (João Pedro Zappa). Passou alguns anos estudando em um colégio interno. 

Nélio (João Pedro Zappa) – Formou-se na faculdade de Direito, em Pernambuco, com Tonico (Alexandre Nero), de quem é o braço direito. Filho de João Batista (Ernani Moraes) e Lota (Paula Cohen). É irmão de Bernardo (Gabriel Fuentes).

Lupita (Roberta Rodrigues) – É escravizada pelo policial Borges (Danilo Dal Farra) e tem a responsabilidade de denunciar fugas de outros escravizados na Pequena África. Vende cocada pelas ruas da Corte e se envolve com João Batista (Ernani Moraes). 

Quinzinho (Augusto Madeira) – Filho de criação de Joaquim e Elvira, personagens de “Novo Mundo”, cresceu cuidando da Taberna dos Porcos ao lado de Licurgo (Guilherme Piva) e Germana (Vivianne Pasmanter).

Clemência (Dani Barros) – Casada com Quinzinho (Augusto Madeira) e mãe dos gêmeos Prisca (Maria Carolina Basilio) e Hilário (Theo de Almeida). Ajuda o marido a manter a Taberna dos Porcos e a cuidar de Licurgo (Guilherme Piva) e Germana (Vivianne Pasmanter), que se passam por inválidos para dar golpes no casal.

Licurgo (Guilherme Piva) – Mora na Taberna dos Porcos com Germana (Vivianne Pasmanter), com quem é casado há muitos anos, e com o casal Quinzinho (Augusto Madeira) e Clemência (Dani Barros). Acha que sabe cozinhar, mas seus feitos continuam sendo rejeitados.

Germana (Vivianne Pasmanter) – Casada com Licurgo (Guilherme Piva), perturba a vida dele e do casal Quinzinho (Augusto Madeira) e Clemência (Dani Barros) na Taberna dos Porcos.

Prisca (Maria Carolina Basilio) – Filha de Quinzinho (Augusto Madeira) e Clemência (Dani Barros). Irmã gêmea de Hilário (Theo de Almeida).

Hilário (Theo de Almeida) – Filho de Quinzinho (Augusto Madeira) e Clemência (Dani Barros). Irmão gêmeo de Prisca (Maria Carolina Basilio).

Vitória (Maria Clara Gueiros) – Filha de Ana e Joaquim, personagens de “Novo Mundo”. Irmã de criação de Quinzinho (Augusto Madeira). Volta para o Brasil depois de alguns anos fora do país para trabalhar no museu particular da Imperatriz Teresa Cristina (Leticia Sabatella).

Dom Olu (Rogério Brito) – Rei da Pequena África. Casado com Cândida (Dani Ornellas), é pai de Zayla (Alana Cabral/Heslaine Vieira). É escultor, tem o respeito de Dom Pedro II (Selton Mello) e protege os negros alforriados ou que conquistaram sua própria liberdade, oferecendo abrigo na Pequena África.

Cândida (Dani Ornellas) – Líder espiritual da Pequena África. Casada com Dom Olu (Rogério Brito), é mãe de Zayla (Alana Cabral/Heslaine Vieira). Acolhe Jorge/Samuel (Michel Gomes) e fica muito próxima dele e de Pilar (Gabriela Medvedovski). 

Zayla (Alana Cabral/Heslaine Vieira) – Filha de Dom Olu (Rogério Brito) e Cândida (Dani Ornellas). Tem um carinho especial por Jorge/Samuel (Michel Gomes) e convive muito com Guebo (João Victor Menezes/ Maicon Rodrigues). 

Baltazar (Alan Rocha) – É casado com Abena (Mary Sheyla), com quem tem o filho Guebo (João Victor Menezes/Maicon Rodrigues). Mora na Pequena África com a família e, ao lado da esposa, ajuda a organizar a fuga de alguns escravizados.

Abena (Mary Sheyla) – Casada com Balthazar (Alan Rocha) é mãe de Guebo (João Victor Menezes/Maicon Rodrigues). É lavadeira e, com o marido, ajuda na fuga de escravizados. 

Guebo (João Victor Menezes/Maicon Rodrigues) – Filho de Baltazar (Alan Rocha) e Abena (Mary Sheyla) mora na Pequena África e tem um carinho especial por Zayla (Alana Cabral/Heslaine Vieira). 

Lupicínio Borges (Danilo Dal Farra) – Policial, persegue os negros que frequentam as ruas da cidade sem documentos. Mantém Lupita (Roberta Rodrigues) como sua escravizada. 

Barão de Mauá (Charles Fricks) – Deputado, é oponente de Tonico (Alexandre Nero). 

José De Alencar (Alcemar Vieira) – Escritor, deputado pelo Ceará e opositor político de Dom Pedro II.

Naiza (Juliane Cruz) – Escrava de Eudoro (José Dumont). 

Madre Irmã Zoé (Flavia Guedes) – Madre da Santa Casa, onde Pilar (Gabriela Medvedovski) vai estudar. 

Salustiano (Alexandre Zachia) – Jagunço do coronel Ambrósio (Roberto Bomfim).  

Coronel Floriano (Lucci Ferreira) – Marido de Jerusa (Carolina Ferman).

Jerusa (Carolina Ferman) – Esposa de Floriano (Lucci Ferreira). Se envolve com Tonico (Alexandre Nero).