Nacional

ECONOMIA

Impulsionado pelo comércio, país cria 70,8 mil empregos formais em outubro

22/11/2019 15H21

Puxado pelo início das contratações de fim de ano no comércio, o mercado de trabalho brasileiro criou 70,8 mil empregos com carteira assinada em outubro, o melhor resultado para o mês desde 2017. No acumulado do ano, são 841,6 novos empregos formais, o maior número para o período desde 2014. Para especialistas, a abertura dessas vagas pelo sétimo mês consecutivo pode indicar – ainda que de forma gradual – uma mudança na qualidade do emprego, que até agora tem sido sustentado pelo trabalho informal.

“Com a melhora dos indicadores de confiança e com o avanço das reformas (econômicas do governo), é possível ver um mercado de trabalho formal mais robusto, até com uma criação de vagas maior em 2020 do que em 2019”, disse o analista Luca Klein, da 4E Consultoria.

A retomada da confiança viria de medidas como a aprovação da reforma da Previdência e o envio de um pacote de medidas de contenção de gastos. Também pesam a liberação do FGTS e do PIS-Pasep, que irrigou o comércio com novos recursos, e o fato de a taxa básica de juros estar hoje no menor patamar da história. A geração de empregos em outubro ajudou a puxar o Ibovespa, que fechou ontem com alta de 1,54%, a 107.496 pontos – o patamar maior desde 8 de novembro.

Embora o mercado de trabalho ainda seja impulsionado em grande parte pela informalidade, os empregos com carteira assinada devem começar a dar contribuição para reduzir a taxa de desemprego, na avaliação de economistas. A projeção do economista-chefe da Infinity Asset Management, Jason Vieira, é que a taxa medida pela Pnad Contínua caia para 11,5% na média encerrada em outubro, em relação a 11,8% nos três meses encerrados em setembro.

Na opinião de José Márcio Camargo, professor da PUC-Rio e sócio da Opus, os dados de outubro marcando sete meses seguidos de saldo positivo “é sinal claro de que alguma recuperação está ocorrendo, pois, sem crescimento econômico, não haveria geração de empregos”.

Outro sinal, diz ele, é que a recuperação de vagas está ocorrendo em quase todos os setores e em quase todos os Estados

‘Ladeira abaixo’

Os dados foram comemorados pelo presidente Jair Bolsonaro durante transmissão ao vivo em redes sociais. “Vínhamos numa ladeira abaixo e agora é o sétimo mês de resultado positivo”, disse ele. Sem detalhar, ele afirmou que medidas adotadas pelo governo têm ajudado na retomada do mercado de trabalho.

Para impulsionar a geração de vagas para os jovens de 18 a 29 anos, o governo lançou no início deste mês o chamado programa Verde Amarelo, que reduz o custo de contratação das empresas em até 34% com a desoneração de impostos. Mas a medida já enfrenta resistência no Congresso – onde precisa ser aprovada -, por prever que o custo do programa será bancado com receita obtida por um imposto sobre o seguro-desemprego e o seguro-defeso (pago a pescadores).

O economista Thiago Xavier, da Tendências Consultoria, também viu os resultados de outubro como animadores, apesar do crescimento ainda moderado. “Desde o meio do ano para cá, o saldo de empregos tem sido melhor, o que é consistente com a atividade econômica”, afirmou Xavier, para quem o próximo ano também será de crescimento econômico e, consequentemente, de empregos.

Historicamente, o saldo de empregos formais cai em novembro e, em especial, em dezembro. Assim, a previsão de economistas é que possam ser criados entre 500 e 600 mil empregos com carteira assinada neste ano, ante 529,5 mil em 2018.

Setores

Boa parte do desempenho positivo em outubro se deve à geração de empregos no comércio. Esse segmento criou quase 44 mil novos postos de trabalho, seis de cada dez empregos gerados no País. O destaque ficou com o varejo, que concentrou 36,7 mil dessas vagas. No atacado, foram abertas 7,2 outros postos.

Em seguida, aparece o setor de serviços, com 19 mil novos empregos, seguido da indústria de transformação, que abriu quase 9 mil novas vagas, e da construção civil, que criou 7,3 mil empregos. Movimento inverso se verificou no setor agropecuário, que mais demitiu do que contratou, fechando 7,8 mil vagas. O saldo também foi negativo na administração pública (-427) e nos serviços industriais de utilidade pública (-581).