Policial

FEMINICÍDIO

Idoso é condenado a 28 anos de prisão por matar ex-companheira a machadadas

21/09/2018 22H00

O agricultor Ademir Batista de Brito, 65 anos, o ‘Ivaté’ foi condenado a 28 anos e seis meses de prisão pela morte da ex-companheira, a comerciária Maria do Carmo Lopes, 48 anos. O crime de feminicídio foi em 04 de agosto de 2017 na casa da vítima, em Pérola, a 47 km de Umuarama.

A condenação também é pelos crimes de tentativa de homicídio e lesão corporal contra dois filhos da vítima, Willian Lopes da Silva, 20 anos e uma adolescente de 17 anos. Os filhos tentaram impedir que a mãe fosse morta e também foram feridos por Brito. O jovem levou uma facada no abdome e a menina teve uma lesão com faca no rosto.

O julgamento ocorreu entre as 8h30 e 16h30 de sexta-feira (21) no salão do Tribunal do Júri do Fórum de Pérola, a 47 km de Umuarama. Populares lotaram o auditório para acompanhar o julgamento. Os filhos da vítima, que hoje moram com o pai em Várzea Grande (MT), também assistiram a sessão.

FEMINICÍDIO

Segundo o promotor de Justiça Tales Alves Paranahiba, o réu foi condenado por homicídio duplamente qualificado por feminicídio (quando a vítima foi morta no âmbito de uma relação doméstica) e por utilizar recursos que impossibilitou a defesa da vítima.

A condenação também ocorreu por tentativa de homicídio com as qualificadoras de utilizar recurso que impossibilitou a defesa da vítima e para assegurar a execução do crime contra Maria do Carmo e de lesão contra a filha da vítima.

“Como a pena foi alta, o réu deve cumprir ao menos 2/5 presos, ou seja, após 12 anos vai poder requerer o benefício de cumprir a pena com o uso de tornozeleira eletrônica”, explicou o promotor.

Brito está preso desde a época do crime. A defesa informou que deverá recorrer da sentença. Este foi a segunda condenação por feminicídio ocorrida este ano em Pérola.

O CRIME

Na época do crime, o aposentado contou à polícia em depoimento que acordou por volta das 4 horas do dia 04 de agosto de 2017 para trabalhar e que mudou de ideia, pegou uma faca de cozinha e um machado e seguiu até a casa da ex-companheira, onde arrombou a porta dos fundos com o uso do machado, invadiu a casa e agrediu Maria do Carmo com facadas e machadadas até a morte. Os filhos da vítima tentaram impedir a agressão e também foram feridos.

Willian Lopes da Silva levou uma facada no abdômen. Sua irmã teve um corte superficial no rosto e após atendimento médico foi liberada.

Ainda segundo relato do réu em depoimento à polícia, após o crime, Brito seguiu até uma casa que há nos fundos do imóvel e cortou superficialmente os pulsos e o pescoço e afirmou à polícia que tentou se matar. E aguardou a chegada da polícia e de socorro.