Policial

VIOLÊNCIA URBANA

Família identifica corpo encontrado na Estrada Moema. Polícia investiga caso

19/06/2020 17H18

Taimara Silva Santos tinha apenas 19 anos. Ela foi sepultada no fim da tarde de hoje (foto redes sociais)

Umuarama – Uma irmã identificou na manhã desta sexta-feira (19) como sendo de Taimara Silva Santos, de apenas 20 anos, o corpo encontrado pela Polícia Civil enterrado em uma cova rasa na Estrada Moema, na quinta-feira (18).

DESPEDIDA

A mulher esteve no Instituto Médico Legal (IML) onde realizou o reconhecimento formal de Taimara. O velório aconteceu desde o fim da manhã na capela II da Acesf e o sepultamento foi às 17 horas no Cemitério Municipal.

IDENTIFICAÇÃO

Segundo o delegado-chefe da 7ª SDP, Osnildo Carneiro Lemes, o reconhecimento da família é suficiente para investigar o caso tendo Taimara como à vítima.

Um perito do Instituto de Identificação coletou impressões digitais do corpo e encaminhou ainda na quinta-feira para o laboratório da polícia, em Curitiba. A expectativa é que o resultado formalizando o reconhecimento saia em até uma semana. O laudo oficial do IML apontando a causa da morte da jovem também está pendente. O prazo legal é de 30 dias, mas deve ser concluído antes.

INVESTIGAÇÃO

Segundo o delegado, familiares e amigos da vítima já começaram a ser ouvidos, mas a linha de investigação ainda está sendo formada. De acordo com o repassado à polícia, a jovem seria usuária de entorpecentes e atualmente não teria um local fixo para morar e o contato com a família seria mínimo, o que impediu a formalização de um boletim de ocorrência por desaparecimento, uma vez que o contato familiar era pouco.

O CRIME

O corpo de Taimara foi encontrado parcialmente enterrado em uma área de mata na estrada Moema, na saída para o distrito de Serra dos Dourados, por volta das 12 horas de quinta-feira (18), após um morador do local perceber e acionar a polícia.

Segundo o divulgado pela Polícia Civil a princípio o corpo teria uma perfuração de disparo de arma de fogo na região da barriga e afundamento de crânio. A causa da morte somente será conclusiva após o laudo do IML.

Como não haviam documentos, a polícia divulgou algumas tatuagens que a vítima possuía pelo corpo que ajudaram a localizar a família.