Veículos

SEM CARROS

Falta de chips nas fábricas afeta a produção e estoque de veículos

09/08/2021 16H29

São Paulo (AE) – A escassez de semicondutores, que tem obrigado várias montadoras a desativar linhas produtivas, resultou em queda de produção de veículos de 4,2% em julho, em relação ao mesmo mês de 2020, quando a indústria brasileira enfrentava um dos piores momentos da pandemia.

O problema também teve impacto nos estoques de fábricas e revendas, hoje de 85 mil veículos, o suficiente para 15 dias de vendas – o menor em 22 anos. O normal para o setor é na faixa de 30 dias ou mais, de acordo com o ritmo de vendas do período.

Também há vários carros incompletos nos pátios das empresas, mas o número não foi divulgado. Com 163,6 mil veículos produzidos, foi o pior julho para o setor em 18 anos. O volume também foi 2% menor que o do mês anterior.

O segmento mais prejudicado é o de automóveis, com queda de 13,6% na comparação anual. No acumulado do ano há aumento de 46%, com 1,31 milhão de carros de passeio, comerciais leves, ônibus e caminhões (segmento que teve o melhor julho desde 2013)

No mês passado, 23,8 mil veículos foram exportados, número também inferior ao de 2020. “Não é problema de mercado, pois os principais compradores como Argentina, México, Colômbia e Chile voltaram a crescer, mas faltam produtos porque não há semicondutores”, afirma Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, associação que representa as montadoras.

No início da semana já havia sido divulgado que as vendas de veículos novos em julho empataram com igual mês de 2020. Há demanda e filas de espera para vários modelos, informa Moraes. Só no primeiro semestre o setor deixou de produzir entre 100 mil e 120 mil veículos porque não havia microchips.

Crise política

O executivo vê o segundo semestre com “otimismo moderado”, contando com um Produto Interno Bruto (PIB) de 5% neste ano e número maior de pessoas vacinadas contra a covid-19. Por outro lado, diz ele, há preocupações com a variável Delta do coronavírus, com a inflação e, consequentemente, com a alta dos juros.

Outro grande foco de tensão para os próximos meses, diz Moraes, é a crise política, que traz instabilidade para a economia, volatilidade no câmbio e preocupação para o mundo produtivo. Segundo ele, toda vez que uma empresa apresenta um novo projeto de investimento à matriz, a primeira parte é dedicada a explicar sobre questões econômica e política do país para contextualizar a segunda parte, que é a razão de se investir naquele projeto, produto ou tecnologia.

Renault suspende por mais 15 dias retorno ao trabalho

A Renault decidiu ontem estender por mais 15 dias a paralisação da produção na fábrica de automóveis em São José dos Pinhais (PR). Os 5 mil funcionários, que estão em férias coletivas desde o dia 29, tinham retorno previsto para a próxima quinta-feira, mas ficarão em casa até o dia 27.

A companhia alega dificuldades em obter componentes eletrônicos. Os trabalhadores da unidade de comerciais leves foram dispensados nesta semana e retornam na segunda-feira.

Na Volkswagen, funcionários dos dois turnos de trabalho da planta de Taubaté (SP) ficaram em férias coletivas por 20 dias, mas apenas parte deles retomou operações na segunda-feira, enquanto o restante deve voltar no meio da próxima semana. Em São Bernardo do Campo (SP), cerca de 1,5 mil operários que estão em férias desde o dia 19 voltariam nesta segunda-feira, mas a empresa também adiou o retorno por mais 20 dias.

A Fiat é outra empresa que suspendeu a produção de um turno de trabalho em uma de suas linhas na fábrica de Betim (MG) por dez dias a partir do início desta semana.

boxxxxxx

CHEVROLET

No caso da fábrica da General Motors de Gravataí (RS), parada desde abril, o retorno de um turno de trabalho está programado para o dia 16. A expectativa para o segundo turno é retomar atividades em setembro ou outubro.

Na planta de São Caetano do Sul (SP), onde a produção está suspensa desde 16 de junho – também em razão de obras para o início da produção da nova picape Montana -, a volta do pessoal de um turno ocorrerá no fim do mês. Para a outra equipe, não há definição ainda.