Policial

SEQUESTRO CRUZEIRO DO OESTE

“Eu tenho a certeza de que ele iria me matar”, diz mãe sequestrada pelo filho

13/05/2019 18H45

SEQUESTRO CRUZEIRO DO OESTE “Eu tenho a certeza de que ele iria me matar”, diz mãe sequestrada pelo filho
Foram necessário três policiais para conseguir conter o sequestrador que estava agressivo e em suposto surto psicótico (foto divulgação PRE)

Cruzeiro do Oeste – A professora de Português de 65 anos, contou com alívio como foi o drama que ela, o marido e duas netas, de 5 e 8 anos, viveram nas mãos do filho, um professor de Biologia, de 34 anos, durante a manhã desta segunda-feira (13), em Cruzeiro do Oeste.

“Eu tenho a certeza de que ele iria me matar”, afirmou a mãe, em entrevista ao jornal Umuarama Ilustrado. Durante quase uma hora ela foi mantida refém dentro do carro da família, uma Fiat Uno azul. “Ele a segurava pelo pescoço e a ameaçava com a tesoura. Eu e a mulher estamos com diversos ferimentos das espetadas de tesoura que levamos nos braços, costas e na barriga”, contou o pai, mecânico, de 65 anos. A mulher ainda conta com ferimentos no couro cabeludo.

FINAL FELIZ

O drama teve um final feliz após a intervenção de policiais rodoviários da unidade de Cruzeiro do Oeste. O professor de Biologia foi contido, sedado por socorristas do Samu, encaminhado ao hospital da cidade e posteriormente levado até a delegacia da Polícia Civil onde foi autuado em flagrante por sequestro qualificado e resistência a prisão.

O DRAMA

A família foi sequestrada pelo filho, durante um suposto surto psicótico, no início da manhã desta segunda-feira, na residência do casal, em uma chácara, em Cianorte. O casal sai de carro. O marido levaria a professora até a escola, a cerca de 11 km, na cidade vizinha de São Tomé.

“Meu filho disse que iria junto. Eu ainda falei para ficar. Disse: ‘tá frio para tirar as crianças de dentro de casa’. Não teve jeito. Ele pegou as meninas pela mão e entrou no carro. De repente ele disse com um vozeirão que tinha gente o seguindo e que queria ir para Maringá. Meu marido disse que não podia, pois estava sem os documentos. Então meu menino me agarrou, colocou a tesoura no mês pescoço e disse que era para meu marido fazer o que mandava senão me mataria”, relatou a professora.

EM SURTO

Sem alternativa, o marido seguiu as ordens do sequestrador. “Quando chegamos no trevo, meu menino mandou seguir para Umuarama. Como estava muito transtornado, ele mesmo ligava para a polícia dizendo que estava sendo perseguido e que iriam matá-lo. Foi somente por Deus. Ele ligou diversas vezes, mas os policiais não entendiam. Então eu pedi para deixar eu ligar. Deixou e em determinado momento consegui dizer que o perigo estava dentro do carro. Pouco depois passou uma viatura por nós. Eu abri a janela e gritei socorro. Foi um ato de desespero. Naquele momento achei que iria morrer”, relatou a mãe.

SEQUESTRO CRUZEIRO DO OESTE “Eu tenho a certeza de que ele iria me matar”, diz mãe sequestrada pelo filho
A equipe de policiais rodoviários estadual do posto de Cruzeiro do Oeste, sargento Esgló (ao centro) e soldados Ceranto (esquerda) e Charles (direita), que conseguiram libertar a família (foto divulgação PRE)

A POLÍCIA

A professora não sabia, mas a equipe policial já estava a procura da família. “Nós fomos avisados logo cedo de que uma família estava sendo mantida refém dentro de um Fiat Uno que seguia sentido a Cruzeiro. Tentamos a abordagem, mas o motorista estava com medo e não parou. Somente em frente ao posto, a viatura ultrapassou o carro, fechamos a pista e nos posicionamos”, contou o sargento Esgló.

O RESGATE

“Quando eu freei de uma vez desci correndo. Meu menino conseguiu sair do carro ainda segurando a minha mulher e as minhas netas. Ele entrou no carro da polícia com elas. Graças a Deus que os policiais conseguiram dominá-lo. Fizeram tudo certinho. Estou muito grato a eles”, afirmou o homem.

Segundo a PRE, o sequestrador entrou na viatura com três reféns. A mulher de 65 anos estava com a tesoura apontada para o pescoço. “O sargento Esgló conversava com ele e em um momento de distração, eu e o soldado Charles conseguimos tirar a tesoura e libertar as reféns”, contou o soldado Ceranto. Os dois policiais também tiveram ferimentos.

Como o sequestrador estava muito agitado, foram necessários o uso de algema. “Ele deu muito trabalho para ser contido pelos três policiais”, afirmou o pai do professor. Todos foram encaminhados ao hospital da cidade e liberados após serem medicados. As duas meninas foram atendidas pelo Conselho Tutelar de Cianorte e ainda na tarde de segunda-feira foram entregues aos avós.

AMEAÇAS

O casal de idosos mora em uma chácara, em Cianorte. O filho e as netas são de Curitiba. O homem chegou na manhã de domingo na casa da família já transtornado e dizendo que estava sendo ameaçado de morte e que o estavam perseguindo. De acordo com os pais, o homem tem histórico de violência contra o casal e também a esposa e recentemente foi diagnosticado com depressão.

“Estou aliviada por tudo ter acabado. Espero que quando meu menino sair da cadeia vá direto para um hospital, para tratamento. Se ele for para casa vai nos matar. Tenho certeza. Não quero mais vê-lo. Estou com muito medo”, finalizou a mulher. Ainda no domingo, o filho já havia a agredido e a ameaçado com uma faca. “Quando meu marido foi tomar a faca dele, ela quebrou em dois. Isso é coisa de Deus”, contou.