Umuarama

Meio Ambiente

Erosão rural em Serra dos Dourados continua crescendo e assusta moradores

08/04/2019 08H37

erosao-serra-dos-dourados

Com o comprimento de quase três campos de futebol, a erosão no distrito de Serra dos Dourados continua avançando. A cratera se divide em três braços que ameaçam propriedades rurais e o futuro do distrito. Em julho de 2015 o jornal Umuarama Ilustrado mostrou a situação, que segundo os proprietários de imóveis rurais começou em 2013.

Na matéria divulgada pelo jornal em julho de 2015, foi ressaltado que a erosão já existente veio a crescer com a construção de um tanque pulmão, para escoar as águas pluviais de Serra dos Dourados, conforme a chefia da Secretaria Municipal de Obras daquela época. Com a quantidade de chuvas em 2013 o extravasador do tanque não suportou e rompeu.

Seis anos após o surgimento do problema, a cratera continua crescendo em três frentes, um braço com 110 metros segue rumo a sede da propriedade, onde está localizada a erosão. O segundo, com 300 metros, caminha para cidade e o terceiro (200 metros) para propriedade rural vizinha. A extensão da erosão impressiona e pode ser vista de longe.

Conforme a assessoria de imprensa da Prefeitura de Umuarama, a Secretaria de Obras do Município vê com preocupação a situação da erosão em Serra dos Dourados, pois além de problemas para os moradores do distrito, também existem as questões ambientais. Os técnicos do município estudam uma forma de sanar o problema e uma das primeiras ações seria o desassoreamento do tanque pulmão.

Com mais de dez metros de profundidade, os desbarrancamentos acontecem a cada chuva e por ser um local com várias nascentes de água, toneladas de material (solo, árvores e vegetação) é levando para o rio 215, que sofre com assoreamento. Árvores, solo e tudo tipo de vegetação está sendo levado pela erosão.

Comunidade

Conforme agricultores da região, a quantidade de terra que desce no curso do rio causa prejuízos e assusta. Entre os problemas estão os rodões que foram destruídos e soterrados pela lama, a situação dificulta levar água para os animais e para irrigar a plantação. Além do mais, existe o medo da cratera bater à porta de casa, caso nada for feito.