Umuarama

Kawane e Rubens Biguetti

Dupla acusada de matar casal em Goioerê vai a julgamento

15/09/2022 19H00

Kawane e Rubens Biguetti

Dois dos quatro envolvidos na morte do casal Kawane Grejanim Cleve Machado (23) e Rubens Biguetti (29), sentam nesta sexta-feira (16), no banco dos réus. O julgamento acontece a partir das 9 horas, no Fórum de Goioerê e será aberto a comunidade.

Réus

Apontada como mentora do crime, Suziane Ferreira dos Santos, de 24 anos e seu companheiro Alessandro Bennatti de Souza Júnior, 25, conhecido como Mohamed, são acusados de homicídio e ocultação de cadáver. Eles estão presos desde a época do crime. Os corpos de Kawane e de Rubens nunca foram encontrados.

Além de Suziane e Mohamed, mais duas pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público por participação nas mortes. Tatiana Aparecida da Silva, 34 anos não vai a julgamento. A denúncia contra ela resultou em impronúncia. Ou seja, o juiz considerou que não existem provas suficientes para que ela seja julgada por esse crime.

O quarto envolvido, apontado como um dos executores, Mauro José Cavalcante Sobrinho, o Ceará, morreu em 06 de maio de 2021, após um ataque cardíaco. Ele estava preso na Penitenciária Estadual de Cruzeiro do Oeste na época.

Relembre

O crime ocorreu no dia 03 de agosto de 2020 e causou comoção pela forma como tudo ocorreu. Kawane, então com 23 anos, estava grávida e era a filha única do juiz de direito João Cleve Machado, que atuou em Altônia e Umuarama na década de noventa.

Vingança

Segundo o Ministério Público, o casal foi morto por vingança. Kawane e Suziane eram vizinhas e mantinha uma relação de amizade. A acusação é de que Suziane teria ciúmes da vida que Kawane levava, pois tinha um poder aquisitivo muito acima da colega, e via a vítima como uma ‘delatora’.

Tráfico

Suziane acreditava que a vizinha denunciou para a polícia o funcionamento de uma boca de fumo em sua casa. Além do processo pelos homicídios, Suziane ainda responde a outras acusações por tráfico de drogas.

Mortes

O desaparecimento do casal foi percebido após o filho do casal, um bebê com apenas três meses de vida na época, ser encontrado durante a noite de 03 de agosto, abandonado em uma calçada na rua Contorno Norte, entre os bairros Jardim Curitiba e Vila Candeias, na saída para Moreira Sales. A Polícia Militar foi acionada.

Na manhã seguinte o veículo da família, um Honda Civic preto foi encontrado carbonizado na estrada Jamaica, em Moreira Sales. No carro os peritos encontraram apenas um aparelho celular que seria de Kawane. Equipes do Grupamento de Operações Aéreos (GOA) e do Grupo Tigre, ambos da Polícia Civil, chegaram a realizar buscas em toda a região com o auxílio de um helicóptero.