Cotidiano

CRIME MACABRO

Detento diz ter arrancado coração de colega de cela a mando de ‘vozes’

18/08/2021 19H43

O delegado da Polícia Civil de Cruzeiro do Oeste Izaias Cordeiro de Lima: ‘o crime foi bárbaro e chocante, mas está elucidado’

Um crime macabro ocorrido no interior da Penitenciária Estadual de Cruzeiro do Oeste (PECO) durante a madrugada desta quarta-feira (18) chocou até aos policiais mais experientes.

A vítima, um homem de 30 anos, teve o coração arrancado e o pênis decepado e colocado em sua boca. As armas do crime foram uma escova dental e uma lâmina de barbear. Para a polícia, o executor confesso, afirmou que retirou os dois órgãos a mando de ‘vozes’.

Vozes

“Quando questionado o executor afirmou que após dar o golpe com o cabo da escova dental ouviu ‘vozes’ que mandavam arrancar o coração e retirar o órgão genital”, explicou o delegado da Polícia Civil de Cruzeiro do Oeste, Izais Cordeiro de Lima, responsável pelas investigações.

O policial contou que durante o interrogatório o suspeito apresentou sinais de desequilíbrio emocional e psicológico, mas que em seu histórico não a qualquer relatório ou laudo médico que possa comprovar problemas de ordem mental.

A motivação

Para a polícia a morte foi motivada pelo crime que levou a vítima para atrás das grades: o estupro. “Acreditamos que a morte ocorreu porque a vítima foi condenada por crime sexual recentemente”, afirmou o delegado Cordeiro de Lima.

A ordem

O delegado também não descarta que a ordem para matar a vítima possa ter vindo ‘de cima’ e que o crime foi premeditado. A tese é reforçada pelo fato do executor ter sido levado para a cela da vítima na última sexta-feira (13). Ele já responde pelo crime de homicídio e pertenceria a uma organização criminosa carioca.

Prisão preventiva

Os outros dois participantes da morte, de 22 e 39 anos, não confessaram a autoria e o executor não os ‘entregou’, segundo a polícia.

“É uma forma que eles adotam para tentar evitar e elucidação do crime”, afirmou Cordeiro de Lima. Mesmo assim, o delegado representou pela prisão preventiva dos três suspeitos à Justiça e afirmou não ter dúvidas sobre a participação do trio no homicídio.

O estuprador

Apesar de não ser oficialmente reconhecido, os muros atrás de qualquer penitenciária brasileira escondem um comando paralelo que normalmente é mais forte e mais respeitado pelos detentos que o braço do Estado. E um dos crimes considerados hediondos até mesmo entre criminosos é a violência sexual.

Até passar por um julgamento e uma condenação, o preso acusado de estupro é considerado ‘limpo’. Após passar pelo juiz, seu status também muda e não é raro haver a ordem advinda de um ‘julgamento paralelo’ onde a pena normalmente é a de morte.

“Há relatos de que duas das pessoas que praticaram o fato são de organizações criminosas e essas pessoas acabam tendo comando dentro da cadeia. As vezes até mesmo aquele que está lá por crime sexual, acaba seguindo ordens de organizações criminosas”, explicou o delegado. Dos quatro companheiros de cela da vítima, dois são homicidas, um traficante e um estuprador ‘limpo’.

O crime

Segundo a Polícia Civil, durante a madrugada de quarta-feira (18) a vítima foi pega de surpresa por três de seus companheiros de cela.

Um deles armado com uma escova de dentes deu uma estocada no pescoço e após, com a ajuda de dois outros presos, deitou a vítima em seu catre. Ele usou uma lâmina de barbear para abrir o peito do homem até atingir o coração, segundo a polícia. O órgão foi retirado e colocado em um pote de sorvete, encontrado ainda no interior da cela.

Inconsciente, mas viva

A polícia acredita que a vítima estava inconsciente, mas viva, quando começou a ser retalhada com a lâmina de barbear.

Na sequência o suspeito contou aos policiais que também cortou o pênis e colocou na boca da vítima. Após o crime, os envolvidos se lavaram, bem como a vítima e o local. A ação seria para dificultar o trabalho da polícia de chegar até os autores. A lâmina de barbear foi apreendida.

Depen

Segundo o delegado, nos próximos dias serão ouvidos agentes do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) que encontraram o corpo, mas que a princípio não a qualquer indício de facilitação por parte de agentes para a prática do homicídio.

Nota oficial

Ainda durante a manhã o Depen emitiu uma nota sobre o crime onde relata que: “O detento foi encontrado desacordado em sua cela na manhã desta quarta-feira (18), na Penitenciária Estadual de Cruzeiro do Oeste (PECO).

O corpo foi localizado por agentes penitenciários que perceberem sua ausência no pátio de sol. A equipe de plantão solicitou atendimento médico, que constatou o óbito no local.

A polícia e o Instituto de Criminalística estiveram no local e uma perícia foi realizada. O corpo foi encaminhado para o IML para que seja investigada a causa da morte. Um inquérito policial e um procedimento administrativo serão abertos para apurar o caso.”

Confira no link abaixo mais informações sobre esse caso macabro: