Esportes

Olimpíada

Da tampa de isopor ao ouro olímpico, a longa jornada de Ítalo Ferreira

27/07/2021 10H34

Agência Brasil – Primeiro campeão olímpico no surfe, o brasileiro Ítalo Ferreira completou uma jornada incrível na modalidade, desde que começou a surfar na tampa de isopor do pai no Rio Grande do Norte até a conquista da medalha de ouro nos Jogos de Tóquio.

O atleta de 27 anos se interessou pelo surfe pequeno, na cidade litorânea de Baía Formosa (RN), onde cresceu, começando a pegar ondas na tampa de isopor do pai pescador e progredindo para pranchas emprestadas de seus primos antes de ser descoberto aos 12 anos.

“Acho que tenho uma grande história. Comecei a surfar em uma tampa de isopor. Depois disso, tive minha primeira prancha e venci meu primeiro campeonato. Tenho muita paixão pelo esporte e comecei para fazer história”, disse Ítalo Ferreira em entrevista coletiva.

Ele derrotou o japonês Kanoa Igarashi nesta terça-feira (27), em evento transmitido no mundo todo, para se tornar o primeiro campeão olímpico do surfe, modalidade que fez em Tóquio sua estreia em Jogos Olímpicos. Quando a sirene soou para sinalizar o fim da competição, ele apontou para o céu, completando uma incrível jornada desde sua humilde cidade natal de cerca de 10 mil habitantes.

O brasileiro ganhou duas etapas no Mundial de juniores em 2011, antes de vencer o Campeonato Brasileiro e se classificar para o Campeonato Mundial pela primeira vez em 2014. Em 2019, sagrou-se campeão da World Surf League (WSL), o maior campeonato mundial de surfe.

Ítalo Ferreira abriu caminho nas ondas da Praia de Surfe de Tsurigasaki com um estilo agressivo e impressionando os juízes ao longo de três dias de competição.

Quando a escuridão já tomava a praia, ele foi questionado se tinha uma mensagem para os fãs de esportes assistindo ao surfe pela primeira vez.