Umuarama

Economia

Consumidores continuam segurando o dinheiro

26/09/2018 14H15

Os paranaenses continuam mantendo o pé no freio e o cenário do consumo se mantêm. Em setembro, o indicador e Intenção de Consumo das Famílias (ICF), elaborado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), permaneceu no mesmo patamar de agosto, com 103,3 pontos.

Ainda assim, o indicador está bastante acima da pontuação registrada em setembro de 2017, quando marcava 96,4 pontos, e continua acima da média nacional, que apesar da elevação mensal de 1,5%, está em 86,9 pontos.

Por outro lado, a situação no emprego ainda preocupa os paranaenses, sendo que a segurança no trabalho caiu 1,8%. O Nível de Consumo atual teve queda de 4,2% de agosto para setembro, sobretudo nas famílias de menor poder aquisitivo. O momento para Compra de Bens Duráveis, que geralmente são de valor mais alto e envolvem endividamento, não é considerado adequado para a maioria dos consumidores (46,8%) e por isso este subindicador caiu 1,8% na variação mensal.

Outro número que está deixando os empresários preocupado são os de devedores. Dados levantados pela Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Umuarama (Aciu) revelam que o número de inadimplentes na região de Umuarama atingiu a marca de 31.745 pessoas. Deste número, o total da dívida dos devedores chega R$ 14 milhões, incluindo Umuarama e seus distritos, além de Maria Helena, Xambrê, Cafezal do Sul e Perobal.

O número de inadimplentes no comércio regional cresceu 3,2% em agosto de 2018, se comprado ao mesmo mês de 2017, segundo o banco de dados do SPC-Brasil – Serasa. Em um comparativo de janeiro a julho deste ano, o aumento é de 5,2% com relação ao mesmo período de 2017. Sendo que dos 31.745 inadimplentes 56,5% são mulheres (17.936) e 43,5 são homens (13.809). “Historicamente há mais mulheres no banco de dados de inadimplentes pois, geralmente, são elas que vão às compras em nome da família, tanto em mercados, lojas, financeiras, bancos, etc”, analisa Orlando Luiz Santos, presidente da Aciu.

Compra a prazo

Os subindicadores que compõem o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) Compra a Prazo e Perspectiva de Consumo mostraram variação mensal positiva, com aumento de 5% e 3%, principalmente entre as famílias com renda superior a dez salários mínimos, entre as quais os quesitos cresceram 6,6% e 3,9%, respectivamente.