Umuarama

Consciência Negra

Consciência Negra levou umuaramense a empreender

19/11/2018 09H06

Novembro é bastante simbólico para para Luana Martins, a Lu Afro, pois é o mês da Consciência Negra e também bem o período marcou uma etapa de empoderamento do corpo, mudanças que levaram a umuaramense a empreender.

Justamente em novembro do ano passado eu dei início à minha transição capilar. Usava um aplique bem longo, liso e isso causou diversos problemas no meu cabelo natural. Então tive que retirá-los e cortar o cabelo”, lembra Lu Afro.

Nos dias subsequentes à retirada do aplique, a artesã não queria comentários sobre o novo visual, pois ainda não se sentia segura.

Como toda menina negra eu queria ter um cabelo longo e liso. Esse padrão que é imposto para as mulheres negras se adequarem é muito cruel, por isso é necessário trabalhar a autoestima da mulher negra”, conta.

Depois da mudança dos cabelos vieram os acessórios. “Como os apliques eram muito longos e pesados eu não usava brincos. Depois que cortei o cabelo, comprei um brinco com essa temática afro na praia”, revela Lu.

O problema foi encontrar os acessórios em Umuarama. Nenhuma loja de bijuterias trabalha com peças com temáticas africanas. E foi aí que nasceu um novo projeto: Lu Afro acessórios.

Como eu não achei nada que me agradasse ou que tivesse essa representatividade negra comecei a fazer eu mesma. Depois percebi que assim como eu, várias outras mulheres negras também queriam acessórios que tivessem essa questão da africanidade e então nasceu meu projeto”.

Os brincos vendidos pela artesã são de MDF e pintados à mão. Eles custam entre R$ 10 e R$ 20 e podem ser encomendados pela internet, no instagram @Lu_Afro. Também é possível fazer encomendas personalizadas, mas neste caso os valores são diferenciados.

Para quem quiser conhecer o trabalho in loco os brincos serão expostos durante a Faísca deste sábado.