Umuarama

Empatia

Comunidade pode promover um Natal feliz para os alunos do Projeto Amor é Ação

25/11/2021 11H16

Praticamente a um mês do Natal, o umuaramense que quiser realizar uma boa ação pode adotar um pedido de presente de uma das 65 crianças e adolescente participante da Assistência Social Lar Betel (Assebe), mais conhecido como Projeto Amor é Ação. O objetivo da ação é ajudar os menores atendendo seus pedidos, que muitas vezes se resumem ao material escolar ou uma cesta básica.

O projeto atende crianças de 7 anos a adolescentes de 17 anos em situação de vulnerabilidade social e esses menores têm uma construção de Natal bem diferente em relação a abundância de presentes e mesa farta de comida. Para alguns, conseguir o alimento para o dia a dia é uma luta. Nesta realidade de desigualdade social, a população que sofre mais neste período do apelo comercial são as crianças.

Por isso, o Projeto Amor e Ação lançou a campanha Um Sorriso de Esperança. Na ação, as pessoas da comunidade podem apadrinhar uma criança para proporcionar um Natal mais feliz. “Não vamos fazer as cartinhas, pois sabemos da atual situação econômica e como está difícil. Além das crianças escrever uma carta e depois não receberem os presentes, pode ser ainda pior para elas. Então quem quiser doar presentes para as crianças do projeto podem entratar em contando pelo telefone 44-998771842 ou trazer aqui: Rua Ricardo Reis 3156 Parque Dom Pedro I”, explicou a coordenadora Roselene de Souza.

O PROJETO

A Assebe funciona atendendo crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social com atividades educacionais, artesanato e esporte. Os alunos participam de atividades no contraturno escolar nas terças-feiras, quintas e sábado. “A meta do projeto e atender semanalmente, mas para isso precisamos de todo tipo de contribuição, tanto financeira como humana, com colaboradores para ensinar algo para crianças.”, explicou Roselene.

Ainda segundo a coordenadora a frase de um aluno se transformou no lema para manter o trabalho de todos da associação “O projeto me trouxe esperança”. “Com essa frase convidamos a comunidade para ajudar a manter e ampliar a Assebe. Para essas crianças tão pouco é muito e esse pouco é capaz de mostrar para eles que é possível superar as dificuldades”, finalizou.