Cotidiano

ADEUS NOVA CADEIA

Casa de Custódia de Umuarama será construída em Nova Esperança

31/10/2018 17H42

Umuarama – A Cada de Custódia de Umuarama será construída em Nova Esperança. A informação foi confirmada na tarde de quarta-feira (31) pelo prefeito Celso Pozzobom, durante reunião de assinatura de recursos para a conclusão do Centro de Eventos da cidade.

Pozzobom lamentou a oportunidade perdida pelo Município de receber a obra, orçada em R$ 25 milhões. Durante o discurso, ele disse que “tive que renunciar ao projeto que vai para Nova Esperança. Perdemos esse recurso por causa de um grupo de pessoas que não tiveram nem a percepção do que era o projeto”, relatou o prefeito.

O delegado-chefe da 7ª SDP, Osnildo Carneiro Lemes afirmou desconhecer essa informação, mas “Se realmente perdemos só posso lamentar. Umuarama perdeu uma oportunidade bem concreta de não apenas ter o aumento da segurança, mas também benefícios para a cidade como valorização do comércio e de imóveis”, afirmou Lemes.

O PROJETO

O projeto para a construção da Casa de Custódia, com capacidade para abrigar 500 detentos, foi apresentada no último dia 18 a comunidade, durante uma reunião na Prefeitura de Umuarama. Na oportunidade, representantes do Governo do Estado e do Departamento Penitenciário (Depen) apresentaram a proposta de construção.

CONTRAPARTIDA

A contrapartida de Umuarama seria a doação de um imóvel de 20 mil metros quadrados, localizado entre os bairros Primeiro de Maio, Parque das Jabuticabeiras e Ibirapuera, onde hoje existe uma pista de motocross.

CONTRA

Moradores do entorno se posicionaram contra a construção no local e conseguiram o apoio da Câmara de Vereadores, que no último dia 26 rejeitaram o projeto de lei do Executivo Municipal que previa a doação do imóvel ainda nas comissões da Casa Legislativa.

CADEIA ATUAL

Atualmente a cadeia local conta com mais de 200 presos, sendo a maioria provisórios, ou seja, sem condenação definitiva, em uma área com capacidade para abrigar 60 pessoas. A construção é antiga e há mais de um ano está com uma das duas galerias interditada após uma rebelião ocorrida em setembro de 2017. Desde 2015 uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público conseguiu a interdição parcial do prédio, mas por falta de onde abrigar presos, a medida não teve efeitos práticos.