Dr. Eliseu Auth

Eliseu Auth

Cadê o bom senso?

21/07/2020 07H59

Li que o presidente do STJ, Otávio de Noronha, quer a criação de mais um Tribunal Federal de Recursos, agora só para Minas, seu Estado. Mandou projeto de lei à Câmara e justificou que não haveria gastos extras. Como assim? O TRF 4 tem 27 desembargadores, cada um com seus assessores, tem procuradores e muitos funcionários em uma estrutura pesada com técnicos, escrivães e peritos. Cadê o bom senso? É tempo de vacas magras e o país tem dificuldades para dar ao seu povo o mínimo do mínimo que lhe deve.

Há prioridades para os magros tostões. Bertrand Russel dizia que uma ação só é moralmente salutar quando boa para mim e para os outros. Para ele, o ideal individualista é falso. Saiba disso, ministro. O bom senso, vejo que também pode faltar a letrados que freqüentam academias e ostentam diplomas.

Sim, o bom senso mira o bem comum e se preocupa com as necessidades de quem precisa delas. Há um todo a ser olhado em cada gesto, ainda que pareça pequeno e insignificante. Não dá pra ser feliz com a disseminada cultura do desperdício que sangra os combalidos cofres públicos deste país. O que conto aconteceu comigo: Numa das lides forenses que vivi em foros deste Brasil de meu Deus, aguardava uma audiência e vi uma sala vazia com luzes acesas e um barulhento ar ligado. Como por impulso, entrei na sala, apaguei as luzes e desliguei o ar condicionado. Aí fui abordado por uma moçoila que perguntou a razão do meu atrevimento. Entendia que eu era apenas um advogado que não tinha que mexer naquele ambiente público. O sangue me subiu à cabeça e respondi no mesmo tom que a energia da luz e do ar condicionado era eu quem pagava. Que chamasse o diretor do fórum para me repreender. Não chamou. Mas, se chamasse, a idéia era responder, assim como ao ministro lá de cima, com outra pergunta: Cadê o bom senso?

(Eliseu Auth é promotor de justiça inativo, atualmente advogado).