Umuarama

Protesto

Avicultores realizam carreata em Umuarama e Palotina pedindo melhoria no preço do frango

19/03/2021 08H39

Sem buzinaço e seguindo as medidas restritivas contra o coronavírus, mais de 100 avicultores associados à Comissão para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração de Umuarama (CADEC) realizaram ontem uma carreata nas avenidas de Umuarama e Palotina. A movimentação representou a insatisfação do produtor rural em relação ao preço pago por frango vivo pela empresa integradora.

O protesto foi de forma pacifica e ordeira em respeito a legislação de prevenção ao coronavírus e aos pacientes que estão com covid-19. Em Umuarama os produtores rurais passaram pelas avenidas Tiradentes, Londrina, Paraná, Brasil e Ângelo Moreira da Fonseca. Em seguida os carros rodaram para a rodovia PR-323, por onde passaram pela empresa Levo Alimentos e seguiram para Palotina, cidade sede da empresa e cooperativa C.Vale.

Conforme a diretoria da Cadec, as negociações por melhorias no preço pago pelo frango com a empresa integradora começaram em fevereiro e até ontem as partes não haviam entrando em acordo. Desta forma, os produtores decidiram realizar a carreata para mostrar a insatisfação para toda comunidade, como também, existe a intenção de parar a engorda de frango em Umuarama e região.

A Cadec explicou que os produtores pedem o valor de R$ 1,13 por cabeça de frango, porém a empresa ofertou um reajuste de R$ 0,95 em março, R$ 0,98 em julho e R$ 1 em setembro. “Porém com esse reajuste apresentado a empresa também aplicaria um check list de R$ 0,04 até R$ 0,08 em setembro. Isso significa que no final receberíamos R$ 0,92. Isso não podemos aceitar, devido ao custo que temos hoje de R$ 1,08”, ressaltou o coordenador da Cadec, Wanderlei Dias.

Nota da empresa

Por meio de nota, a empresa ressaltou: “A Plusval reforça que continua aberta para negociações com a Comissão para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração de Umuarama (Cadec) e que não está medindo esforços para dar o suporte necessário aos integrados de maneira justa e transparente, gerando renda para várias famílias e também empregos para toda a região de Umuarama.

Destaca-se ainda que a empresa tem feito um grande esforço, mesmo com o alto preço dos insumos, mercado altamente competitivo e a atual situação econômica do país, para repassar de forma gradual mais um reajuste aos integrados, cujo aumento chegará em R$1,00 por ave, o que deve acontecer até setembro deste ano, ou seja, um aumento total de 17%, passando para uma margem de lucro de mais de 20% aos produtores.

Acima desses valores, a produção se torna inviável para manter as atividades da empresa e parceria com os integrados, por isso é preciso uma análise econômica correta da atual situação da atividade”.