Umuarama

Saúde Pública

Cães criados nas ruas viram dor de cabeça para umuaramenses

27/09/2018 13H15

Quem nunca acolheu um cachorro perdido na rua? Os umuaramenses amam os animais, mas algumas ações estão causando transtorno para quem caminha por Umuarama. Alguns moradores dos bairros estão abrigando os animais fora dos quintais, o que vem aumentando a incidência de mordidas em pedestres na cidade.

Dados do Sistema de informação de Agravos de Notificação (Sinan) mostram que só no mês de agosto, deste ano, foram aplicadas 23 vacinas antirrábica nas Unidades de Saúde do Município, além do Pronto Atendimento. Em janeiro do mesmo ano foram 10 vacinas e a incidência veio aumentando gradativamente até agosto passado. Conforme a assessoria da Prefeitura de Umuarama, este aumento também se deve a um treinamento realizado nas unidades de saúde para prevenção da Raiva.

Casos

No último domingo (23) a Guarda Municipal de Umuarama (GMU) atendeu a solicitação para averiguar de dois cachorros soltos na rua Waldemar Evaristo da Silva no Jardim Alto da Boa Vista. Conforme a nota da GM, os animais estavam avançando nas pessoas e uma idosa foi mordida. A mulher foi encaminhada para receber atendimento médico e os animais foram recolhidos e permanecem em observação, devido as questões de transmissão de Raiva.

No bairro Guarani, também houve um registro de ataque de cão em um homem da terceira idade. A vítima estava a caminho da casa de sua filha, quando um cachorro saiu de um quintal e mordeu sua perna. A secretária Mariana Riguetti foi outra vítima e registou uma mordida em sua perna no último sábado (22). Segundo ela, ao caminhar com seu cachorro no bairro onde reside (Interlagos) dois outros cães, que vivem soltos na rua, viram para cima dela e um acabou mordendo sua panturrilha. “Fui para o Pronto Atendimento e recebi a vacina contra raiva”, disse.

Ministérios da Saúde

A raiva é de extrema preocupante para saúde pública, adverte o Ministério da Saúde. Devido a sua letalidade de aproximadamente 100%, mas é uma doença passível de eliminação no seu ciclo urbano (transmitido por cão, gato e ou morcego) e pela existência de medidas eficientes de prevenção, como a vacinação humana e animal.

O que fazer se for mordido

Frente a uma possível exposição ao vírus da raiva, é imprescindível a limpeza do ferimento com água corrente abundante e sabão ou outro detergente, o que contribui na diminuição do risco de infecção, devendo ser realizado o mais rapidamente possível após a agressão. Após, deve-se buscar imediatamente assistência médica para avaliação se é necessário a aplicação de vacina e soro antirrábico. Existe um protocolo a ser seguido.