Cotidiano

JURI POPULAR

Assassino de Tábata Crespilho é condenado a 41 anos de prisão

15/10/2020 18H44

Eduardo Leonildo da Silva, de 33 anos, foi condenado a 41 anos de prisão pela morte da menina Tábata Crespilho, então com 6 apenas seis anos, em 26 de setembro de 2017, em Umuarama.

A sentença condenatória foi proferida no início da noite desta quinta-feira (15), no tribunal do júri em Cascavel, a 160 km de Umuarama. O julgamento começou durante a manhã e foi no sistema semipresencial por causa da pandemia da covid19 e ocorreu fora de Umuarama por questão de segurança. Leonildo está preso desde a época do crime em Curitiba, onde deve continuar recolhido.

O crime chocou a cidade e levou a depredação do complexo da 7ª SDP e a queima de 13 veículos, logo após a divulgação da prisão de Silva.

O CRIME

Tábata sumiu por volta das 13 horas do 26 de setembro de 2017, quando seguia para a Escola Municipal Rui Barbosa, no Parque Danielle, em Umuarama. A menina morava com a família em um bairro próximo, no Jardim Colibri. O irmão de 13 anos a levou até as proximidades da escola. A menina foi abordada pelo criminoso há menos de 50 metros do estabelecimento de ensino.

O desaparecimento foi descoberto somente às 17 horas, quando o responsável foi pegar a criança e foi informado que Tabata não chegou a escola. As polícias Civil e Militar foram acionadas e as buscas começaram ainda na noite de terça-feira.

RÉU CONFESSO

O corpo da criança foi localizado na madrugada do dia 28 de setembro, horas após a Polícia Civil prender Eduardo Leonildo da Silva, que confessou ter matado e enterrado o corpo em um canavial em uma estrada rural nas proximidades do bairro Sonho Meu, segundo informou à polícia.

Na época a polícia informou que chegou até ao suspeito após conseguir imagens de câmeras de segurança nas imediações da Escola Municipal Rui Barbosa, que identificaram um VW Gol branco, que pertence ao suspeito.

O suspeito era conhecido da família da vítima, morava nas proximidades. Eduardo da Silva foi preso em flagrante acusado de homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Segundo a polícia, Eduardo da Silva já responde pelo homicídio e ocultação de cadáver de uma adolescente em Chopinzinho, no Oeste do Estado, ocorrido há 10 anos.