Dr. Eliseu Auth

24/08/2021

A cara da opressão

23/08/2021 20H04

Jornal Ilustrado

Eliseu Auth

Não me leve a mal o ilustrado leitor do Umuarama Ilustrado. O assunto semanal é doloroso e deprimente, mas precisamos tratar dele e tirar as lições. O mundo acompanha estupefato o horror em que o pobre povo do Afeganistão mergulhou depois que as tropas americanas e aliadas saíram do país. Foram lá para vingar o ataque às Torres Gêmeas de Nova York. Antes não tivessem ido porque falharam ao não preparar o país para evitar a volta do regime opressor. Nesse cenário os fanáticos voltaram rápido para o desespero da pobre gente que já se acostumara à liberdade e agora se esconde ou tenta fugir da barbárie.

Tudo leva a crer que foi caso pensado. Preste atenção: Ainda em fevereiro de 2020, o então presidente Donald Trump fez o que chamou de “Acordo de paz” com o Talibã. Ali fez o cronograma da retirada definitiva e em troca o Talibã não permitiria que o território afegão fosse usado para planejar ou executar ações que ameacem a segurança dos Estados Unidos. O governo do Afeganistão ficou à margem no pressuposto de que o Talibã voltaria. Foi uma rendição aos extremistas, marcada para o início do Governo Biden que, incauto, caiu na cilada, mantendo o acordo. Ambos têm culpa nessa história de horror, mas a idéia malsã veio da mente de Trump.

E agora? Bom, agora é sofrer de novo. A pobre gente afegã sem direitos e nas mãos de uma brutalidade sem freio que marcou o governo talibã. Sem cinemas, música e televisão mulheres impedidas de estudar e só podendo sair às ruas acompanhadas de um homem. Voltarão a ver o Estádio da capital feito palco de execuções públicas de quem ouse discordar dessas insanidades.

Que lições podemos tirar disso? No mínimo, que nos botemos no lugar dessa gente sofrida que é obrigada a viver sob um regime desgraçadamente opressor. Na empatia, dar-nos conta de que poderia ser conosco. Que aquela criança arremessada aos soldados para não viver sob tortura poderia ser nosso filho. E aqui, não ser ingênuo e combater quem agride a democracia. A grande lição é que qualquer tipo de ditadura tem a mesma cara: A cara da opressão.

(Eliseu Auth é promotor de justiça inativo, atualmente advogado).