Umuarama

Educação

Equipe de Umuarama disputa este fim de semana torneio nacional de robótica

15/03/2019 16H46

A equipe de robótica do colégio Sesi de Umuarama disputa este fim de semana a etapa nacional do Festival Sesi de Robótica de 2019 na categoria First Lego League (FLL).

O evento acontece no Pier Mauá, no Rio de Janeiro, entre os dias 15 e 17. A competição envolve 84 equipes de todo o país e vale uma das 18 vagas para a etapa internacional do torneio.

A meta dos umuaramenses é garantir a viagem para os Estados Unidos. O tema deste ano é o Into Orbit.

O PROJETO

Para isso, estão apostando todas as fichas em um aspirador nasal para astronautas durante viagens ao espaço. A proposta é eliminar as congestões nasais constantes dos astronautas, principalmente antes das refeições.

“Eles se alimentam de comida desidratada e no espaço, por causa da microgravidade, as congestões nasais são constantes. A ideia foi criar um aspirador que tem uma tampinha e um limpador acoplado para que possa ser usada antes das refeições. Assim, a pessoa vai sentir o cheiro do alimento e melhorar o paladar”, explicou a estudante Milena Toninato Vignoto, 16 anos. Ela e outros 8 colegas de turma formam a equipe umuaramense.

O equipamento retém o muco nasal para que possa ser retirado posteriormente pelo limpador, que deve ser limpo a cada duas semanas. “Funciona mais ou menos como um aspirador nasal infantil, mas o diferencial é a tampinha para reter e o limpador”, disse Milena. A ideia surgiu após a irmã caçula de um dos membros da equipe ter uma gripe forte e ficar com o nariz congestionado.

DENOMINADOR COMUM

Mas para se chegar a um consenso sobre qual o projeto seguiria adiante, foram muitas ideias, discussões até ter um denominador comum. Depois passou para o processo seguinte de como equalizar o projeto. Foram pesquisas, entrevistas com otorrinolaringologistas, astrobiólogos e outros profissionais.

“Fizemos algumas entrevistas por videoconferência, mas também fomos a muitas consultas médicas. Quando um estava doente e ia ao médico, nós íamos juntos para termos a oportunidade de conversar e tirar dúvidas para o nosso projeto”, relembrou Luiz Gustavo Figueiredo Rodrigues, 16 anos.

DEDICAÇÃO

Ao longo dos últimos sete meses, essa garotada se reuniu em média 10 horas por dia, entre horário de aula e laboratório para desenvolver o projeto e também um robô com peças de lego para realizar uma prova cumprindo diversas etapas em uma missão espacial. Contaram com a supervisão do professor Fernando Cardoso Craveiro, de Química.

Tiveram aprendizados em física, química, biologia, metodologia de pesquisas e trocas de experiências que possibilitaram conhecimentos para a vida, como melhora no relacionamento com outras pessoas, desenvolvimento da empatia com o entendimento de que torcer para o sucesso de um companheiro também traz satisfação e a sensação de que você também venceu.

EQUIPE

Trabalhar em equipe, compartilhar experiências e conhecimentos, entender que pedir ajuda não é vergonha e não prejudica a sua independência. Ter um olhar positivo para a vida, controlar a ansiedade, trabalhar a concentração e entender que nada se consegue sem dedicação e muito estudo, perda da timidez, enfim, lições que se levam para a vida e não somente para uma competição.

Geovana Tomás, 16 anos; Milena Toninato Vignoto, 16 anos; Marco Antonio de Almeida Alves, 16; Luiz Gustavo Figueiredo Rodrigues, 16; Luiz Renato Crivelaro, 16, Luís Henrique Scanavaca, 15, Vinícius Santana, 17, Vinícius Soares Campos, 15; e Samuel Garcia Mello Dyna, 15, todos já são vencedores por terem superado diferenças e entenderem que vencer ou perder faz parte do crescimento e amadurecimento pessoal e o segredo é não desistir.