Karina M. Fernandes

08/01/2022

Sobre recomeços…

08/01/2022 05H29

Jornal Ilustrado


Gosto de pensar que as nossas vidas são feitas de inúmeros ciclos que possuem início, meio e fim. Em nossa cultura, a passagem de um ano para outro também segue esta lógica. O réveillon é vivido como um ritual repetido ano após ano, com o término de um ciclo de doze meses e o início de outro. Mas será que tudo isso serve para alguma coisa? Sim! Os rituais são importantes e tem a sua função. Eles são carregados de um simbolismo poderoso sobre aberturas e fechamentos de ciclos que motivam as pessoas a realizarem auto avaliações, isto é, analisarem suas vidas durante os meses que passaram, identificando pontos positivos e negativos. Isso ocorre numa data convencionada em decorrência de sua força simbólica, impulsionados pela massa e mobilizando grande parte das pessoas num mutirão de boas intenções, sendo convocadas a promover mudanças e melhorias para suas vidas no ano vindouro. Os projetos e os sonhos que outrora estiveram estagnados voltam a contracenar com outro fator importante para a saúde mental: a esperança. A possibilidade do “novo”, a reorganização das vidas, a correção de erros, as iniciativas diferentes, tudo isso contribui para o bem-estar mental dos indivíduos. A auto análise proposta nesta época do ano é tão importante pois, muitas vezes, é um dos únicos momentos onde grande parte das pessoas entram em contato mais profundo com o seu interior, seus pensamentos, seus sonhos, objetivos, erros. E mais importante do que isso, se comprometem com suas histórias e seu futuro. Quem nunca estabeleceu planos e metas no início de um novo ano? Promessas de cuidar mais da saúde, se exercitar, estudar mais, comer melhor, passar mais tempo com a família e os amigos, trabalhar com o que gosta, adquirir bens que sempre sonhou… Não importa seu objetivo, projetar-se e recomeçar é essencialmente vital. Desejo que seu novo ano seja um belo recomeço. Recomeçar é como embarcar em um pequeno barquinho em alto mar, diante do imenso e vasto oceano, com dois remos e um ano inteiro pela frente, desconhecido e imprevisível. O desconhecido é um lugar de medos e inseguranças, mas cheio de possibilidades, assim como o ano que nos espera. Excelente 2022!