Arquivo

Na carona do bom senso

30/03/2020 20H05

Eliseu Auth

Estou de molho e numa quase prisão domiciliar. Vou à rua só em extrema necessidade porque os entendidos em saúde e as autoridades civis dizem que deve ser assim. Vou, volto logo e passo álcool-gel. Sou mal educado com amigos que encontro porque não dou a mão e converso de longe. Raciocino que o malvado vírus “corona” não vai se espalhar e nem vai me pegar. Ele gosta de aglomerações e de gente conversando perto de gente.

Me espantei com o presidente dando mau exemplo e indo contra a Organização Mundial da Saúde, médicos e cientistas que orientam ficar em casa e evitar ajuntamento de pessoas. A ciência diz que é preciso isolar para que o vírus fique incontrolável. Bolsonaro confundiu e desinformou a quem ele deveria orientar e informar. No fundo, parece temer os governadores dos Estados que estão coesos sob liderança do João Doria de São Paulo.

O presidente deveria tirar o olho do falastrão Donald Trump que debochou da pandemia e agora tem o maior número de infectados do mundo. Também deveria olhar a Itália. Lá, ouvir o prefeito de Milão que pediu perdão à população por não decretar o isolamento social e propagandear que “Milão não pára!” quando havia 14 mortes. Agora contabiliza mais de trinta mil.

E agora, José? Vou dizer o que penso. Na vida, pego carona no bom senso. E não saio dali de jeito nenhum. Nem tanto à terra, nem tanto ao mar. Bem como os antigos romanos de Ulpião diziam: “in medio virtus”. E tinham razão porque a virtude está no equilíbrio. Mamãe cozinhava bem demais e nunca errou no sal. Afundava a colher na comida e pingava na palma da mão. Aí levava à boca e sentia a intensidade do tempero. Tal podemos também fazer nesta hora: Premissa maior: sempre ouvir a ciência porque o distanciamento social é a forma que existe para o combate ao vírus. Premissa menor: aqui e ali, deixar fluir atividades econômicas sem aglomeração, permitindo a sobrevivência das pessoas, sem que o vírus se espalhe. Conclusão: vida que segue, mas com regras restritivas. Desconfiado como mineiro, sempre um olho no peixe e outro no gato. Na carona do bom senso.

(Eliseu Auth é promotor de justiça inativo, atualmente advogado).