Colunistas

Relembrando

“Meu Bem, Meu Mal” pode ser assistida a qualquer hora na Globoplay

02/10/2020 08H06

Em “Meu Bem, Meu Mal” Lima Duarte interpretou o personagem Dom Lázaro Venturini que teve um derrame ao descobrir um caso extraconjugal da nora / Arquivo GB Imagem

A trama de Cassiano Gabus Mendes e Maria Adelaide Amaral teve como protagonista o ator Lima Duarte

Já está disponível na Globoplay um dos grandes sucessos de Cassiano Gabus Mendes e Maria Adelaide Amaral: “Meu Bem, Meu Mal”. Ambientada em São Paulo, a trama é costurada por disputas de poder, traições em família e negociações. O empresário e dono da Venturini Designers, Dom Lázaro Venturini (Lima Duarte), é um homem ranzinza e ressentido com as decepções que sofreu na vida, como o adultério da falecida esposa, Maria Helena. Ele, inclusive, é obrigado a conviver com Ricardo Miranda (José Mayer), fruto de uma traição da sua mulher com seu melhor amigo. Após seu filho, Cláudio Venturini (Herson Capri) morrer, o empresário traz sua irmã Valentina (Yoná Magalhães) de volta da Europa para que ela assuma a empresa, indo contra a nora e viúva de Cláudio, Isadora Venturini (Sílvia Pfeifer).

Isadora mantém um caso com Ricardo, apesar de todos acharem que eles se odeiam. Em determinado momento da trama, Dom Lázaro descobre o caso da nora. Chocado, ele sofre um derrame, perde a fala e os movimentos ficando preso a uma cadeira de rodas. Lima Duarte relembra a trama e comenta sobre a cena clássica em que Dom Lázaro Venturini, seu personagem, recupera a fala. “Como não me referir ao clássico ‘Eu quero é melão’? Quando me falaram que eu ia ficar doente, pediram que eu pegasse toda a minha experiência com o Assis Chateaubriand, porque eu passei os dois últimos anos da vida dele com ele, e ninguém entendia o que ele falava, só eu. Naquela cena e em nenhuma outra eu fui tão Assis Chateaubriand. Ele falava daquele jeito. Virou um clássico da teledramaturgia”, declara.

“Meu Bem, Meu Mau”, foi exibida na tela da Globo originalmente de 29 de outubro de 1990 a 18 de maio de 1991, em 173 capítulos. Também foi reprisada no “Vale a Pena Ver de Novo” em 1996 e reexibida na integra no Canal Viva, em 2016.