Umuarama

Comércio

Lojistas estão divididos perante possibilidade de abrir empresas até as 22 horas

31/08/2018 13H27

Umuarama – A possibilidade de abertura do comércio até as 22 horas, matéria publicada ontem pelo Jornal Umuarama Ilustrado, foi tema em rodas de conversas, redes sociais e principalmente nas lojas de Umuarama. Devido aos debates acalorados, a reportagem do Ilustrado foi para ruas ouvir empresários, gerentes e funcionários a respeito do assunto.

Nas lojas percorridas o tema ainda é envolto em dúvidas, principalmente pelas questões trabalhistas, lucro e conhecimento do público consumidor. Parte dos gerentes e empresários entrevistados, (50%) observam a possibilidade de abrir lojas em horário diferenciado como benéfico, pois parte dos consumidores encontram dificuldade em fazer suas compras no horário comercial tradicional.

Os outros 50% acreditam que a cidade não comporta a abertura do comércio em horário estendido, pois a região não contém muitas indústrias e os consumidores da região não contam com a possibilidade de ônibus vindo dos municípios no horário da noite. Para estes entrevistados o custo seria muito elevado, com pagamentos adicional noturno e um segundo quadro de funcionários.

Entretanto, o que não ficou claro e caberá os órgãos representantes do setor comercial explicar para sua classe, é que o decreto não obriga o empresário abrir todos os dias das 8 horas as 22 horas.

Entrevistas

Paulo Tiago da Silva (foto) , gerente de uma rede de lojas de calçadas, disse que domingo e feriado não é a favor de abertura do comércio, pois ele acredita que a cidade não comporta. O lojista acredita que seria viável abertura em horário estendido em dias que antecedem as datas comemorativas como dia das mãe e namorados. Ainda segundo o entrevistado, ele também é a favor da abertura prolongada em dois sábados de cada mês. “A cidade não tem tanta indústria e Umuarama e região é comercial”, disse.

Emiliane Barbeiro Cesar (foto), também gerente de loja, pode gerar mais emprego, mas acredito que a cidade não tenha uma população consumidora, para buscar as lojas nos dias que já abrem em horário especial e também no período da noite. “Vejamos a situação de dezembro quando abre até as 22 horas, nos primeiros dias é parado e deixam para comprar nos últimos dias. Então acho que vai dividir muito as vendas, como também, gerar mais custo para empresa”, ressaltou.

Para o gerente Junior Rodrigues (foto), seria bom para o comércio, pois poderiam abrir em mais sábados em horários diferenciados ou invés de apenas o segundo sábado de cada mês. “Vamos estudar a situação e buscar conversar com os diretores para saber como será. Mas eu acho importante para cidade essa possibilidade”, contou.

Sueli Oliveira (foto), gerente de loja de vestuário, vê com bons olhos essa maleabilidade de horários de abertura do comércio. “Pessoas que chegam da região nos contam que em algumas vezes deixam de comprar em Umuarama, pois não demos oportunidade para eles uma vez que o comércio fecha 18 horas. Umuarama é uma cidade que precisa desenvolver também as formas de atender os consumidores, e seguir a nova realidade do consumo”, noticiou.

O outro lado

O assunto ainda é nebuloso e muitas discussões ainda estão por vir. A abertura das empresas também divide os trabalhadores em alguns quesitos, mas não divide a categoria quando o assunto é direitos trabalhistas. “Se for dois turnos beleza, temos que ganhar também. Mas sabemos de empresas que não funcionam corretamente perante pagamentos. Patrões e funcionários, cada um tem que cumprir seus deveres”, disse a vendedora Claudislaine Gonçalves.